AO MINUTO: Paz sem Crimeia? "Ruído"; Putin defende "ação na Ucrânia"

AO MINUTO: Paz sem Crimeia?

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, encontra-se, esta quarta-feira, em Kyiv, na véspera do Dia da Independência da Ucrânia. A visita durará dois dias e começa com a participação numa cimeira sobre a recuperação da Crimeia. Na quinta-feira, haverá um encontro com o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, e o primeiro-ministro, Denys Shmygal.

Sobre a frente de batalha, o envio de F-16 continua a estar no centro das atenções. Após a Dinamarca e os Países Baixos terem confirmado o envio de caças, o conselheiro presidencial ucraniano, Mykhailo Podolyak, rejeitou que tal venha a contribuir para a escalada do conflito contra a Rússia e apelou a “decisões semelhantes” por parte dos restantes parceiros daquele país invadido.

DESTAQUES

EM DIRETO

Sirenes soam em Kyiv? "Não há razão para medo", diz Marcelo

Ema Gil Pires | há 1 minuto

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que “não há razão para medo”, quando questionado pelos jornalistas sobre se teve medo quando ouviu soar as sirenes de ataque aéreo na capital ucraniana, Kyiv.

O chefe de Estado proferiu as declarações à margem de uma cimeira sobre a recuperação da Crimeia, revelando que nunca tinha estado numa situação deste género. “Não há razão para medo. Tem havido uma capacidade de resposta integral e de cobertura por parte da Ucrânia”, assegurou Marcelo Rebelo de Sousa.

Sobre o discurso que fez no âmbito da referida cimeira, o Presidente da República explicou que sustentou a “posição portuguesa quanto à Crimeia”, de “não aceitar a ocupação e a violação da soberania ucraniana”. Mas pretendeu, também, “chamar a atenção para o facto de que não faz sentido, por isso mesmo, separar a questão da Crimeia da questão genérica da invasão russa”. 

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda ter feito uma “terceira observação”, “em linha com o que o presidente [Volodymyr] Zelensky tinha dito”. E elaborou, lembrando as “pessoas concretas, de carne e osso”, que têm sido afetadas pela guerra: “Estão aqui em causa princípios e valores do Direito Internacional, mas também rostos”. 

Outro aspeto destacado, neste âmbito, pelo chefe de Estado relaciona-se com o “desenvolvimento económico e social” da Crimeia, após “nove anos” de “atraso face àquilo que devia ter existido”, potenciado pela ocupação russa do território, segundo argumentou também o próprio presidente ucraniano.

Marcelo fez ainda ecoar uma mensagem que decorre daquilo que tem sido a própria “política externa portuguesa”, defendendo que, no caso desta guerra, “o agressor deve cessar a sua agressão”. E elaborou: “E cessar a agressão não quer dizer apenas não atacar mais no futuro, mas também retirar-se de territórios ocupados ilegitimamente”. 

Questionado sobre uma visita futura do chefe de Estado ucraniano a território português, o Presidente da República afirmou que existirão “vários momentos em que haverá, certamente, oportunidade […] para uma hipotética ida do presidente Zelensky a Portugal”. E acrescentou: “Talvez haja uma ou duas ideias sobre isso, mas é prematuro, pois sabemos como a agenda dele é particularmente ocupada”.

“Ele privilegia esses contactos internacionais, mas tem uma guerra a decorrer […] e gosta de estar na frente de batalha”, lembrou Marcelo Rebelo de Sousa.

Contraofensiva "muito complicada" devido à densidade dos campos minados

Lusa | há 43 minutos

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, reconheceu hoje que a contraofensiva das tropas ucranianas para recuperar o território ocupado pela Rússia “é muito complicada” devido à densidade dos campos minados nas linhas de defesa russas.

“É muito difícil para nós, porque o campo minado é muito denso”, disse Zelensky durante uma conferência de imprensa em Kiev com o primeiro-ministro finlandês, Petteri Orpo, que anunciou um novo pacote de ajuda militar para a Ucrânia de armas pesadas e munições.

“Os russos colocaram milhares de minas, mas o mais importante são as tendências” observadas no terreno, acrescentou Zelensky, que lembrou que o exército ucraniano não parou de avançar nas três zonas da frente onde tem realizado ações de ataque desde que iniciou a sua contraofensiva no início de junho.

Acompanhe em direto a cimeira da 'Plataforma Crimeia'

Márcia Guímaro Rodrigues | há 45 minutos

PS e PSD em visita à Ucrânia para analisar evolução das operações

Lusa | há 53 minutos

Os deputados portugueses Miguel dos Santos Rodrigues (PS) e Cristiana Ferreira (PSD) iniciaram hoje uma visita de dois dias à Ucrânia, paralela à do Presidente português, para analisar a evolução das operações militares e o fornecimento de equipamento militar às forças ucranianas.

Numa nota enviada à agência Lusa, os dois deputados, da Comissão Parlamentar de Defesa Nacional, afirmam que a visita decorre no âmbito da plataforma “United for Ukraine”, por ocasião do dia da independência daquele país.

Alarmes soam em Kyiv

Márcia Guímaro Rodrigues | há 1 hora

Foi emitido, esta quarta-feira, um alerta de ataque aéreo para a cidade de Kyiv, onde se encontra o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e dezenas de outros líderes ocidentais, no âmbito da cimeira sobre a recuperação da Crimeia.

Segundo a plataforma ‘Alerts in Ukraine’, o alerta foi dado pelas 14h54.

O último alerta na cidade ocorreu na terça-feira e vigorou entre as 12h50 e as 13h22.

 

Putin apoia reeleição do líder da região anexada de Lugansk

Lusa | há 1 hora

O presidente russo, Vladimir Putin, apoiou hoje a reeleição do governador interino da região ucraniana anexada de Lugansk, Leonid Pásechnik, ainda antes das eleições de 10 de setembro, que se realizarão apesar da guerra.

“Em relação às próximas eleições, é uma tarefa difícil, organizar esse trabalho nas condições em que você se encontra. Mas com a ajuda da administração federal, vai conseguir, sem dúvida”, disse Putin, numa reunião realizada no Kremlin e transmitida pela televisão estatal russa.

Papa critica "guerra cruel" e lamenta desaparecimento de crianças

Lusa | há 1 hora

O Papa Francisco voltou hoje a criticar a “guerra cruel” na Ucrânia durante a audiência geral semanal no Vaticano, lamentando ainda que muitas crianças tenham desaparecido devido ao conflito.

Irmãos e irmãs, rezemos pelos nossos irmãos e irmãs ucranianos, que sofrem tanto. A guerra é cruel! Tantas crianças desaparecidas, tantas pessoas mortas. Vamos, por favor, rezar”, declarou o Papa.

“Não esqueçamos a martirizada Ucrânia”, sublinhou Francisco, mencionando na mesma ocasião o Dia da Independência da Ucrânia, que será assinalado na quinta-feira, dia 24 de agosto.

Marcelo adverte que qualquer solução que exclua Crimeia "é ruído"

Lusa | há 2 horas

O Presidente da República defendeu hoje que qualquer discussão sobre o futuro da Ucrânia que exclua a questão da península da Crimeia é “um ruído” disfarçado de apoio à população do país invadido.

“Não é possível separar a questão da Crimeia da invasão total do território da Ucrânia. Qualquer tentativa, subjetiva ou objetiva, de separar as duas questões representa não uma ajuda, não um apoio à população ucraniana, mas um ruído que é desnecessário”, considerou Marcelo Rebelo de Sousa, na abertura da cimeira da “Plataforma Crimeia”, em Kyiv.

O chefe de Estado português recordou que o objetivo desta plataforma “foi, desde o início, o mesmo: nunca deixar que as pessoas esquecessem a Crimeia”.

Marcelo adverte que qualquer solução que exclua Crimeia “é ruído”

O Presidente da República defendeu hoje que qualquer discussão sobre o futuro da Ucrânia que exclua a questão da península da Crimeia é “um ruído” disfarçado de apoio à população do país invadido.

Lusa | 14:22 – 23/08/2023

Kyiv anuncia destruição de sistema de mísseis russo na Crimeia

Lusa | há 2 horas

O serviço de informações militares da Ucrânia (GUR) anunciou hoje a destruição de um sistema russo de mísseis de médio e longo alcance S-400 na Península da Crimeia, na sequência de “uma explosão”.

A explosão ocorreu “perto da aldeia de Olenivka, no Cabo Tarkhankut, na Crimeia temporariamente ocupada”, disse o GUR num comunicado citado pela agência espanhola EFE.

“Como resultado da explosão, a própria instalação, os mísseis nela instalados e o pessoal foram completamente destruídos”, afirmou.

Ucrânia diz que ataques destruíram 270 mil toneladas de cereais num mês

Lusa | há 2 horas

Os repetidos ataques russos aos portos marítimos e fluviais ucranianos destruíram 270.000 toneladas de cereais num mês, avançou hoje o ministro das Infraestruturas ucraniano, Oleksandr Kubrakov.

“No total, foram destruídas 270.000 toneladas de cereais durante um mês de ataques aos portos”, disse o ministro numa mensagem publicada na rede social Facebook, denunciando que tais ataques são agressões “contra os países de África e da Ásia, que já carecem de alimentos”.

Rússia agradece aos BRICS esforços para solução pacífica

Lusa | há 2 horas

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, agradeceu hoje aos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) os esforços para uma solução pacífica para a guerra na Ucrânia, sobre a qual responsabiliza o Ocidente.

“Agradecemos aos nossos colegas dos BRICS que participam de modo ativos na intenção de pôr fim a esta situação e conseguir uma solução justa por meios pacíficos”, disse o chefe de Estado russo durante a sua intervenção por videoconferência na cimeira que decorre em Joanesburgo, citado pela agência de notícias EFE.

Lula da Silva fala em retrocesso para "mentalidade de Guerra Fria"

Lusa | há 2 horas

O presidente brasileiro alertou hoje para o regresso a uma “mentalidade de guerra fria”, afirmando que o conflito na Ucrânia evidencia “limitações” do Conselho de Segurança da ONU, e ofereceu o apoio do seu país aos esforços de paz.

“Estamos prontos a juntar-nos a um esforço que possa efetivamente contribuir para um pronto cessar-fogo e uma paz justa e duradoura”, disse Luiz Inácio Lula da Silva, durante a sessão plenária da 15ª cimeira dos BRICS, que decorre em Joanesburgo, África do Sul, até quinta-feira.

Lula da Silva sublinhou que “todos sofrem as consequências da guerra”, salientando que as populações mais vulneráveis nos países em desenvolvimento são atingidas “desproporcionalmente”.

Visita de Marcelo à Ucrânia expressa "sentimento dos portugueses"

Lusa | há 4 horas

O líder do PSD, Luís Montenegro, considerou hoje que a visita do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, à Ucrânia expressa a “solidariedade e sentimento do povo português”.

“Não há dúvida nenhuma que o senhor Presidente da República, ao expressar a solidariedade do povo português, está a interpretar aquele que é o sentimento do povo, aquele que é o nosso respeito e, enfim, a nossa emoção, o nosso coração que acompanha todos aqueles que sofrem todos os dias ataques intoleráveis à sua vida e ao seu património”, disse o social-democrata durante uma visita a Santo Antão da Barca, em Alfandega da Fé, no distrito de Bragança.

Marcelo terá de ter "cuidado" em Kyiv. "Não se podem excluir surpresas"

Daniela Filipe | há 4 horas

Perante a visita oficial de dois dias do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, à Ucrânia, o historiador José Milhazes salientou que o chefe de Estado terá de circular “com cuidado”, uma vez que “não se podem excluir surpresas”. Isto porque, esta quarta-feira, celebra-se o Dia da Bandeira na Ucrânia, que antecede o Dia da Independência do país, e a ocorrência de ataques por parte das forças russas é uma possibilidade.

“Sabemos que hoje é o Dia da Bandeira na Ucrânia, amanhã será o dia da celebração da independência. São dias muito importantes. Aliás, o Presidente vai ter de andar com cuidado”, começou por dizer o comentador, em declarações à SIC Notícias.

Leia mais aqui.

Deputado regional acusado de receber subornos de militares

Lusa | há 4 horas

As autoridades ucranianas detiveram um deputado regional de Ternopil, no oeste da Ucrânia, sob a acusação de receber subornos para evitar o envio de militares para a frente de guerra, anunciaram hoje os serviços secretos ucranianos.

O Serviço de Segurança Ucraniano (SBU) disse em comunicado que o deputado foi apanhado em flagrante quando recebeu 6.000 dólares (mais de 5.500 euros ao câmbio atual) de um militar, que também foi detido.

Leia mais aqui.

China e África do Sul defendem "solução política" para a crise

Lusa | há 5 horas

Os governos da África do Sul e da China emitiram hoje um comunicado conjunto no qual voltam a defender a implementação de um diálogo construtivo como a “única saída viável” para resolver a crise na Ucrânia.

“Ambas as partes (…) procurarão a reconciliação e promoverão o processo de negociação” e estão prontas a “desempenhar um papel construtivo numa solução política”, refere-se no comunicado emitido por Pequim, no âmbito da décima quinta cimeira dos BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – que decorre em Joanesburgo.

Na declaração, China e África do Sul sublinham que trabalharão para “salvaguardar conjuntamente o sistema internacional com as Nações Unidas no seu centro” e defenderão “uma ordem internacional justa baseada no direito internacional”, bem como “os direitos e interesses dos países em desenvolvimento”, o respeito pela soberania nacional e a integridade territorial.

Putin justifica invasão. "Pôr fim à guerra desencadeada pelo Ocidente"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 4 horas

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu, esta quarta-feira, que a chamada “operação militar especial” na Ucrânia teve como objetivo “pôr fim à guerra que foi desencadeada pelo Ocidente e os seus satélites” contra “as pessoas que vivem no Donbass”.

“A Rússia decidiu apoiar as pessoas que lutam pela sua cultura, pelas suas tradições, pela sua língua, pelo seu futuro. As nossas ações na Ucrânia são ditadas por apenas uma coisa – pôr fim à guerra que foi desencadeada pelo Ocidente e os seus satélites na Ucrânia contra as pessoas que vivem no Donbass”, disse no seu discurso por videoconferência, no BRICS, citado pela agência de notícias TASS. 

Ucrânia? “Pôr fim à guerra desencadeada pelo Ocidente”, defende Putin

O presidente da Rússia defende que, “com ajuda dos países ocidentais, foi realizado um golpe de Estado” na Ucrânia, em 2014, e depois foi “desencadeada uma guerra” contra quem não concordava com a revolução.

Notícias ao Minuto | 11:58 – 23/08/2023

 

Dois mortos em bombardeamento russo contra escola em Romny

Márcia Guímaro Rodrigues | há 5 horas

Dois funcionários do setor da educação e outras três pessoas ficaram feridas, esta quarta-feira, num bombardeamento a uma escola na cidade de Romny, em Sumy. 

“Em Romny, no distrito de Sumy, os russos destruíram uma escola e mataram pelo menos dois educadores”, disse o ministro do Interior, Ihor Klymenko, no Telegra, acrescentando que “mais três pessoas ficaram feridas”.

De acordo com a mesma fonte, há “informações de que mais dois funcionários da instituição estão sob os escombros”.

 

Após desaparecimento de Surovikin, Rússia nomeia o seu substituto

Márcia Guímaro Rodrigues | há 6 horas

A Rússia nomeou um novo chefe interino das Forças Aeroespaciais para substituir Sergei Surovikin, conhecido como ‘General Armagedão’, indicou, esta quarta-feira, a agência de notícias russa RIA.

Surovikin, recorde-se, desapareceu após a rebelião armada do Grupo Wagner contra o Ministério da Defesa da Rússia, entre os dias 23 e 24 de junho.

“O ex-chefe das Forças Aeroespaciais russas, Sergei Surovikin, foi agora afastado do seu cargo, enquanto o coronel-general Viktor Afzalov, chefe do Estado-Maior da Força Aérea, está temporariamente a atuar como comandante-chefe da Força Aérea”, indicou uma fonte à RIA. 

"Vida está a normalizar-se na Ucrânia" e "há esperança no futuro"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 6 horas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou, durante a sua visita a Irpin, que a “vida está a normalizar-se” na Ucrânia, “o que significa que há esperança e confiança no futuro”.

Questionado sobre a contraofensiva, Marcelo afirmou que “estamos na primeira fase”, que é a “recuperação do território ocupado”. 

“Os grandes heróis são os ucranianos. Mas a verdade é que a comunidade internacional percebeu que era uma luta justa e isso também é uma forma de contribuir para a vitória”, disse ainda sobre o apoio do Ocidente à Ucrânia.

Marcelo visita ponte destruída para evitar avanço russo em Irpin

Márcia Guímaro Rodrigues | há 4 horas

Marcelo Rebelo de Sousa encontra-se agora a visitar uma ponte em Irpin, que foi destruída nos primeiros dias da invasão da Ucrânia. O chefe de Estado está acompanhado pelo presidente da Câmara de Irpin e o ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho. 

A ponte foi destruída pelas tropas ucranianas para tentar evitar o avanço das tropas russas na cidade. O chefe de Estado recebeu três moedas do autarca ucraniano, onde se lia: “Destruída a ponte, mas não conquistada”.

Marcelo lembrou que a “a luta foi essencial” e que a ‘batalha’ de Irpin mostrou a necessidade de resistir logo no segundo dia da guerra.

Marcelo, o primeiro presidente entrar na trincheira em Moshchun

Lusa | há 6 horas

O Presidente da República português protagonizou hoje um momento insólito ao entrar numa trincheira que foi improvisada em Moshchun, na Ucrânia, durante a ocupação russa, tornando-se no “primeiro” chefe de Estado a fazê-lo.

“Isto nunca tinha acontecido! É o primeiro que faz isto”, comentou, admirada, Lesya Arkadievna, a vice-governadora para a região de Kyiv, ao ver Marcelo Rebelo de Sousa entrar para uma trincheira.

Moshchun, uma localidade nos arredores da capital ucraniana, foi dizimada durante a ocupação russa e, ao contrário de, por exemplo, Bucha, a recuperação pouco avançou. Quase nada ficou de pé enquanto as tropas russas ali estiveram.

Leia mais aqui.

Marcelo visita prédio "todo destruído" por ataque russo em Horenka

Márcia Guímaro Rodrigues | há 7 horas

O chefe de Estado visitou Horenka, uma das aldeias afetadas pela invasão russa da Ucrânia. Durante a sua visita, Marcelo Rebelo de Sousa esteve num prédio que foi destruído por um apartamento russo.

“Tudo destruído. O sistema elétrico não funciona, vigas quase a cair. Foi um bombardeamento que atingiu a estrutura do edifício. Vai ficar o que está, mas vai ser reconstruído à volta para que os moradores possam voltar”, disse, sobre o edifício que visitou.

Eis o momento da chegada de Marcelo a Kyiv

Notícias ao Minuto | há 7 horas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, chegou na manhã desta quarta-feira à Ucrânia, para uma visita de dois dias. O momento da chegada foi filmado e o vídeo partilhado agora na conta da rede social X (antigo Twitter) do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Ucrânia. EUA, União Europeia e países vizinhos na primeira linha de apoio

Lusa | há 7 horas

O apoio dos países aliados da Ucrânia ascende a pelo menos 165 mil milhões de euros, segundo dados do Instituto Kiel, sediado na Alemanha, numa lista liderada de longe pelos Estados Unidos, seguidos pela União Europeia e países vizinhos.

Quando se assinala um ano e meio da invasão da Ucrânia, as promessas de entregas de caças F-16 a Kiev pelos Países Baixos e Dinamarca, após luz verde de Washington na passada semana, são o último exemplo de como os países ocidentais se têm adaptado e aumentado a relevância do seu apoio desde 24 de fevereiro de 2022, à medida que as forças ucranianas foram, não só resistindo às investidas russas, como lançado uma contraofensiva, com ganhos territoriais, como aqueles que foram registados nos últimos dias.

Leia mais aqui.

"Faz lembrar as trincheiras da Primeira Grande Guerra"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 6 horas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, está agora de visita à aldeia de Moschun, localizada a cerca de 30 quilómetros de Kyiv e que esteve no caminho das tropas russas até à capital ucraniana, em 2022.

O chefe de Estado decidiu entrar numa trincheira construída pelas tropas ucranianas. “Faz lembrar as trincheiras da Primeira Grande Guerra”, afirmou, após sair do local.

“De repente, vemo-nos regressados a tempos em que milícias e brigadas formadas sob orientação do presidente da Câmara, que tende a responder de forma mais ou menos organizada, num estilo de guerrilha, a uma ofensiva que é muito mais forte“, afirmou.

Três mortos em ataque com 'drones' na região russa de Belgorod

Lusa | há 8 horas

Três pessoas morreram hoje num ataque de um ‘drone’ ucraniano na região russa de Belgorod, que faz fronteira com a Ucrânia, disse o governador regional, Vyacheslav Gladkov, na plataforma de mensagens Telegram.

“Três civis foram mortos na aldeia de Lavy, no distrito de Valuysk”, escreveu Gladkov. “As forças armadas ucranianas lançaram um engenho explosivo a partir de um ‘drone’ no momento em que as pessoas estavam na rua”, acrescentou.

Massacre de Bucha "foi muito chocante, muito desumano, muito inumano"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 7 horas

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o massacre de Bucha, onde, de acordo com as autoridades ucranianas, morreram mais de 450 pessoas, “foi muito chocante, muito desumano, muito inumano”. “É por isso mesmo que andamos à procura dos meios adequados para o julgamento e a punição”, defendeu.

Bucha? "Portugal tem sido incansável no apuramento da verdade"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 7 horas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhou, durante a sua visita a Bucha, que a ministra da Defesa, Helena Carreiras, o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e o próprio Governo têm sido “incansáveis” no sentido de “apoiar todas as diligências para que se possa ter uma apreciação internacional e não a meramente nacional” sobre o conflito na Ucrânia. 

De visita ao local onde morreram centenas de pessoas durante a ocupação russa em março de 2022, que ficou conhecido como “Massacre de Bucha”, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou a necessidade de “apurar a verdade”. 

“Portugal tem sido incansável, garantindo, naquilo que depende de nós, estaremos sempre na primeira linha, não só no apuramento da verdade, como também a criar condições para que o que vier a ser o apuramento fiel, seja uma lição para o presente e para o futuro”, sublinhou.

Marcelo prometeu em Bucha o apoio de Portugal às “investigações”

O Presidente da República português alertou hoje, na cidade ucraniana de Bucha, que “uma justiça tardia não é justiça” e prometeu o apoio de Portugal nas investigações do crime de agressão.

Lusa | 08:34 – 23/08/2023

Marcelo falou com Raimundo depois de objeção do PCP à viagem a Kyiv

Lusa | há 8 horas

O Presidente da República conversou com o secretário-geral comunista sobre a visita a Kyiv que faz entre hoje e quinta-feira, depois da objeção do PCP em autorizar a deslocação de Marcelo Rebelo de Sousa à Ucrânia.

“O secretário-geral do PCP enviou-me uma mensagem, depois falei com ele, a explicar a posição do PCP, que não é um não completo é dizer o seguinte: ‘se for útil para o caminho da construção da paz faz sentido'”, referiu o chefe de Estado logo após desembarcar na estação ferroviária de Kyiv-Pasazhyrskyi, na capital ucraniana, para uma visita de dois dias que inclui um encontro com o Volodymyr Zelensky e participação na cimeira sobre a recuperação da Crimeia – desde 2014 sob controlo da Rússia.

Leia mais aqui.

Rússia volta a atacar com 'drones' região de Odessa

Lusa | há 8 horas

A Rússia voltou a atacar na terça-feira à noite com ‘drones’ a região de Odessa, no sul da Ucrânia, atingindo infraestruturas de produção e transporte de mercadorias para exportação e causando danos em celeiros.

“Infelizmente, houve impactos nas infraestruturas de produção e transporte, onde se registou um incêndio numa área de 700 metros quadrados”, escreveu o chefe da Administração Militar da região de Odessa, Oleg Kiper, na sua conta na plataforma de mensagens Telegram.

Marcelo visita memorial às vítimas da guerra em Bucha

Márcia Guímaro Rodrigues | há 8 horas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, encontra-se em Bucha a visitar um memorial às vítimas da guerra, segundo mostram imagens da RTP.

O chefe de Estado está acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e pelas autoridades locais.

"Tudo o que é fundamental na vida da Ucrânia, é na vida de Portugal"

Lusa | há 9 horas

O Presidente da República disse hoje que está em Kyiv para dar continuidade à presença e solidariedade portuguesas para com a Ucrânia, e para participar nas comemorações do Dia da Independência, na quinta-feira.

“O objetivo é múltiplo. Em primeiro lugar, é dar continuidade à presença portuguesa. Esteve aqui o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República, várias vezes o ministro dos Negócios Estrangeiros, agora veio o Presidente da República. É Portugal presente a mostrar a sua solidariedade em todos os domínios”, sustentou Marcelo Rebelo de Sousa logo após desembarcar na estação ferroviária de Kyiv-Pasazhyrskyi.

Marcelo encontra-se com Zelensky na quinta-feira

Lusa | há 2 horas

O Presidente da República anunciou hoje que vai encontrar-se com o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, na quinta-feira, e com o primeiro-ministro da Ucrânia, Denys Shmygal, além de participar na cimeira sobre a Crimeia.

“Amanhã [quinta-feira] será o dia de participar ativamente na celebração do Dia da Independência, ter encontros com o Presidente Zelensky, [e] com o primeiro-ministro”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, minutos depois de desembarcar na estação ferroviária de Kyiv-Pasazhyrskyi, na capital ucraniana, para uma visita de dois dias.

Marcelo Rebelo de Sousa está na Ucrânia (em visita de dois dias)

Lusa | há 5 horas

O Presidente da República Portuguesa chegou hoje à capital da Ucrânia pelas 07h30 locais (05h30 em Lisboa), para uma visita de dois dias, que coincide com a comemoração do 32.º aniversário da independência do país.

Marcelo Rebelo de Sousa desembarcou na estação ferroviária de Kyiv-Pasazhyrskyi, em Kyiv, acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, pelo chefe da Casa Civil da Presidência, Fernando Frutuoso de Melo, pelos embaixadores Maria Amélia Paiva e Jorge Silva Lopes, o antigo dirigente do PS João Soares, o historiador José Pacheco Pereira e o empresário Luís Delgado.

Ucrânia. Rússia abateu dois drones, um deles atingiu prédio em Moscovo

Lusa | há 9 horas

A defesa aérea russa abateu dois drones em Moscovo e na região da capital, alvo pelo sexto dia consecutivo de ataques, informou esta madrugada o presidente da autarquia.

“Ontem à noite [terça-feira], a defesa aérea abateu um drone no bairro de Mojaiski, na região de Moscovo. O segundo drone atingiu um edifício em construção na cidade”, declarou Sergei Sobyanin na plataforma de mensagens Telegram, acrescentando que, segundo as primeiras informações, não houve vítimas.

Para recordar…

Márcia Guímaro Rodrigues | há 6 horas

Início de cobertura

Márcia Guímaro Rodrigues | há 9 horas

Bom dia. Retomamos o acompanhamento AO MINUTO sobre a guerra da Ucrânia. Poderá recordar o registo anterior na ligação abaixo:

AO MINUTO: Três mortos em Donetsk; TIJ ouve recurso russo em setembro

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia.

Notícias ao Minuto | 07:59 – 22/08/2023 PUB

Dúvidas sobre créditos e/ou seguros? Alie-se à Poupança no Minuto e saiba a informação de que precisa

Ibiza desde 70€ ida

Lifestyle Viagens 25/07/23

Viva dias relaxantes, com muita praia, cultura e gastronomia. Reserve já!

patrocinado por WOOK

Não deixe para amanhã WOOK pode comprar agora. Conselho de quem sabe!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Fonte: NOTICIASAOMINUTO.COM