Bebê que morreu queimado pela própria mãe ficou três dias sem comer; polícia traz novas revelações impactantes

O caso do bebê recém-nascido que foi abandonado em um terreno baldio e queimado pela própria mãe em Anápolis (GO), na última quarta-feira (12), gerou forte comoção e revolta. A mulher de 24 anos confessou a ação em depoimento à polícia, e justificou que escondeu a gravidez para que a mãe, que vive acamada, não soubesse.

De acordo com investigações da Polícia Civil, a vítima ficou ao menos três dias escondida na casa em que a mãe vivia e não foi alimentado neste período. Responsável pelo caso, o delegado Wllisses Valentim, disse que o bebê foi enrolado em um lençol e trancado em uma dispensa no fundo da residência dela. Nesta sexta-feira (14), a Justiça determinou a manutenção da prisão. 

O caso foi descoberto na última quarta-feira (12), quando um pedestre viu um cachorro arrastar o corpo do bebê carbonizado. Em vídeos recuperados de câmeras de segurança próximas ao terreno baldio, a Polícia Civil identificou a mulher de 24 anos chegando em um carro.

Ela desce do veículo com uma caixa de papelão, e na sequência volta para pegar um galão de álcool e ateia fogo no corpo do próprio filho.

Namorado depõe

Nesta sexta-feira (12), o namorado da jovem compareceu à Polícia Civil para prestar depoimento. Ele disse que foi até à casa dela no último final de semana, e não ouviu nenhum choro de bebê. Ele afirmou que tinha chegado a um consenso com a mulher de realizar um aborto, algo que ela garantiu ter realizado.

“No sábado, ela enviou uma mensagem ao namorado dizendo que precisava da companhia dele. O bebê estava guardado no quartinho. No domingo, eles foram almoçar em Goiânia e o bebê continuou trancado no local”, disse o delegado.

O jovem será investigado pelas autoridades que tentarão descobrir se ele teve algum tipo de participação na ação criminosa.

Continue Lendo Comunicar Erro

Fonte: I7NEWS.COM.BR