'Como se tivesse perdido um membro do meu corpo', diz mãe que perdeu filha de 26 anos com Covid após dar à luz

A Covid-19 tem feito milhares de vítimas ao redor do mundo todo e com isso deixado muitas famílias dizimadas com a perda de vários entes queridos. Uma mãe que perdeu a filha que estava grávida comoveu ao fazer um desabafo emocionante sobre a dor e o sofrimento que tem passado após a morte da jovem.

“É como se eu tivesse perdido um membro do meu corpo”, disse Valdevina dos Santos, que sofre pela perda da filha Letícia Oliveira que morreu ao dar à luz recentemente. A mulher foi hospitalizada no mês de abril, quando estava com oito meses de gravidez, porém ela acabou não resistindo às complicações do vírus e faleceu no dia 2 de junho na cidade de Ribeirão Preto, interior do estado de São Paulo.

Com a morte da jovem, Valdevina acabou se tornando responsável pela criação da netinha, a pequena Heloise, que conseguiu sobreviver ao parto. A criança está quase completando dois meses de vida. Além dela, Letícia também deixou outros dois filhos. A morte da filha é a terceira perda para o coronavírus que a família enfrenta. Eles já tiveram que se despedir do avô e do pai de Letícia, ambos morreram por causa da Covid.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

“Eu fiquei com três crianças pra cuidar. Não pra cuidar, pra criar, né. Porque antes eu cuidava deles pra minha filha trabalhar, mas hoje eles são uma responsabilidade minha […] Não tem como eu descrever pra vocês como a vida da gente tá difícil”, ressaltou Valdevina.

imagem09-06-2021-09-06-17

Conforme a explicação de Fernando Bellissimo, que é médico infectologista, as gestantes tem um risco maior em relação à doença por causa das mudanças que acontecem com o organismo durante o período gestacional. O corpo feminino passa por várias alterações significativas em seu sistema imune.

Ainda de acordo com o profissional, os casos de agravamento de gestantes associados ao coronavírus costuma ocorrer no terceiro trimestre da gravidez e incluem sintomas como pressão alta, trombose e sangramento.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://assets.revcontent.com/master/delivery.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
var script=document.createElement(‘script’);script.src=’https://backstage.i7.network/tags/728a61cb4d272644/index.js?rd=’+(Math.random()*10000000000000000);document.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(script);script.onload=function(){new i7Tag({‘placement’:’i7_articles_feed’});}
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR