Jovem negro é preso por engano após sair de padaria; 'Estava na hora errada e no lugar errado', diz delegado

O entregador Yago Corrêa de Souza, de 21 anos, foi preso no Jacarezinho, Zona Norte do Rio de Janeiro, logo após sair de uma padaria. Depois disso, o delegado assistente da 19ª Delegacia de Polícia da Praça da Bandeira, Marcelo José Barbosa Carregosa, afirmou que o jovem “estava na hora errada e no lugar errado”. O delegado, que está a frente do caso, destacou ter havido um erro, mas afirmou que a versão apresentada pelos familiares do jovem negro detido era verídica. Em seguida, Marcelo também pediu que o juiz responsável pela custódia libertasse o entregador.

A Polícia Civil se deu conta de que a prisão de Yago foi realizada de maneira equivocada logo após concluir a mesma. De acordo com o delegado, o pedido de soltura do entregador foi realizado depois que vários elementos foram levados em consideração.

Segundo informações, o jovem deve ser solto já na tarde desta terça-feira, 8. Isso, depois que uma audiência de custódia for concluída na Cadeia Pública José Frederico Marques, que fica localizada em Benfica. A audiência teve início às 13h.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Jorge Luís silva de Souza, tio de Yago, afirmou que seu sobrinho acabou sendo “julgado pela aparência e pela cor”. Jorge afirmou que os policiais nunca querem realmente saber quem eles são, na verdade, ao seu ver, a única coisa que importa para os agentes de segurança local é que eles são negros, por isso, acabam sendo suspeitos sempre que saem nas ruas da comunidade.

Yago foi detido ao mesmo tempo que um adolescente que acabou sendo acusado de estar associado ao tráfico de drogas na região. Com o adolescente, os policiais encontraram pinos de cocaína e papelotes de maconha e skunk. O delegado destaca que era necessário acender um sinal amarelo à Justiça, para que assim, uma injustiça fosse evitada. Segundo ele, não houve nenhum indício de relação entre o entregador e o adolescente.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR