Cachorro em apartamento: como escolher o companheiro ideal

Os cachorros ainda ganham a preferência da maioria dos brasileiros na hora de escolher um animal de estimação. No Brasil, estão presentes em 33,8 milhões de casas, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde de 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para quem vive em apartamento e está pensando em adotar um cão, é importante saber que é possível ter qualquer tipo de pet, independentemente do tamanho, seja do animal ou do imóvel, já que o cachorro não precisa de tanto espaço quanto se imagina. Porém, algumas variáveis podem ser determinantes para acertar na escolha.

Segundo a veterinária Manuela Passos, a principal necessidade do cachorro é gastar energia e a escolha não está relacionada ao tamanho do apartamento. “É possível criar um golden retriever ou um labrador em apartamento, mas precisa estar atento à questão da energia. Se o tutor, por exemplo, trabalha muito e não vai ter muito tempo para descer ou brincar, não deve pegar um cão com muita energia, como um labrador”, afirma. 

+ 9 produtos para o pet ter em casa

+ Pets: perfil de moradia dos brasileiros que têm um bichinho de estimação

+ Pets: o que fazer quando um cão e um gato moram juntos

Outra questão é avaliar o perfil comportamental da raça para ter o cachorro em apartamento. “Se uma criança for cuidar do cão, é melhor evitar os mais dominantes porque ele vai mandar na casa porque não vai ter ninguém mais dominante em cima dele. Outros perfis são mais sociáveis, como bulldogs, mas têm muita energia e vão demandar mais atividades. Já o Golden, se o tutor dorme o dia todo, ele também vai dormir, mas demanda um cuidado maior com a pele”, detalha. 

 Cachorro em apartamento: o bulldog francês Tom precisa de atividades para gastar a energiaO bulldog francês Tom precisa de atividades para gastar a energia – Crédito da foto: Tom.obuldogue/Divulgação

Para quem vai adotar um vira lata, ainda que não se conheça o perfil de cada, a relação com o apartamento também costuma ser tranquila. “Animais adotados e resgatados têm uma gratidão que não é vista em outros animais, principalmente se forem adultos, eles não costumam destruir a casa”, acrescenta Manuela Passos. 

Cachorro em apartamento: o vira lata Rufus foi adotado já adulto e é bastante tranquiloO vira lata Rufus foi adotado já adulto e é bastante tranquilo – Crédito da foto: Luchino Marchi/Divulgação

Convivência com os vizinhos quando se tem cachorro em aparamento

Ainda é preciso ficar atento à convivência com vizinhos. “Gastar a energia do cachorro pode evitar latidos, choro e ansiedade e, portanto, problemas com vizinhos”. Também é preciso atenção às regras do condomínio. “Não existe regra que possa ultrapassar a do município, no geral não se pode proibir cachorro em apartamento. Mas alguns condomínios não permitem cães grandes no elevador, então é preciso ter cuidado porque algumas raças não toleram descer escada, como labradores mais velhos. Outra questão é que alguns condomínios permitem elevador com a guia, outros no colo, mas não as pessoas não vão conseguir com um cão grande”.

Leia mais

+ Fique atento às instalações de cabeamento de internet no projeto do imóvel

+ Cresce a preferência por casas entre os que buscam imóveis residenciais

+ Reforma durante a pandemia é possível, mas exige cuidados

Fonte: REVISTA.ZAPIMOVEIS.COM.BR