Polícia não pode julgar quem vive e morre, diz diretora da Anistia Internacional

Jurema Wernek, ativista e diretora executiva da Anistia Internacional Brasil Reprodução Jurema Wernek, ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil

A ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck, falou nesta segunda-feira (17) sobre a operação policial que deixou 29 mortos no bairro do Jacarezinho, no Rio.  Werneck criticou a operação e afirmou que “polícia nenhuma tem autorização para decidir quem vive e quem morre”.

“Se trata de uma chacina porque são muitas pessoas mortas, atacadas, traumatizadas e com sequelas que vão durar a vida toda. O país vai viver com essa marca de que policiais entraram na comunidade, nas casas, no quarto de crianças e mataram brasileiros e brasileiras. Mataram jovens, gente que tem uma vida pela frente”, disse Jurema no Roda Vivada TV Cultura .

Segundo a ativista, existe uma ‘falência’ da promessa da segurança pública no Brasil, em especial no Rio de Janeiro. Ela diz que as forças de segurança querem “quase uma carta branca” para as suas ações.

“Essas ações que, nos últimos 30 anos, têm sido denunciadas como pouco inteligentes, truculentas e violadoras de direitos humanos (…) existe um profundo desprezo pela vida das pessoas que moram nas favelas, nas periferias, pela vida de pessoas negras”, disse Jurema. 

A ativista reforçou que a truculência das forças de segurança só fazem aumentar os índices de violência no Brasil. Segundo ela, a solução passa pelo respeito aos direitos humanos. “Que inclui saúde, educação, moradia, cultura, trabalho… é pela vida digna.”

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR