Em conversa com Macron e Scholz, Xi Jinping pede ‘contenção’ da guerra

Reprodução/Wikimédia Communs Encontro entre Xi Jinping, presidente da China, e Vladimir Putin, presidente da Rússia

O presidente da China, Xi Jinping, conversou de maneira virtual com seu homólogo francês, Emmanuel Macron, e com o chanceler alemão, Olaf Scholz, nesta terça-feira (8) e pediu uma “contenção máxima” do conflito na Ucrânia.

Uma das principais aliadas da Rússia, a nação disse que a situação “é preocupante” e que “deplora profundamente” a guerra na Europa. Conforme a emissora estatal “CCTV”, Xi ainda afirmou que Pequim continua a apoiar o respeito “à soberania e a integridade de todos os países”, mas também “considera legítimas as preocupações sobre a segurança” de Moscou.

“Todos os esforços para uma solução pacífica devem ser apoiados. […] É preciso dar prioridade máxima para evitar que as tensões aumentem ou que a situação fuja de controle “, acrescentou ressaltando que é preciso “trabalhar juntos”.

Segundo o mandatário, é preciso conter as consequências “que terão um impacto negativo sobre a estabilidade das finanças globais, de energia, dos transportes e das cadeias de fornecimento” que já foram muito impactadas pela pandemia de Covid-19.

Não houve declarações formais dos governos da Alemanha e da França.

Leia Também

A invasão russa na Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro, coloca Pequim em uma situação bastante delicada no cenário internacional, já que os russos são grandes parceiros na política externa e na “oposição” aos Estados Unidos em diversos cenários.

Por outro lado, os chineses também vivem situações críticas com grupos de independência em seus territórios, especialmente, em Taiwan e Hong Kong. Defender uma invasão seria uma contradição ao seu discurso de soberania das nações constituídas.

Por isso, os chineses tentam manter uma certa neutralidade no conflito.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR