Rússia diz não ter a intenção de derrubar governo da Ucrânia

Reprodução/Flickr Maria Zakharova porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo

A Rússia negou nesta quarta-feira (9) que seu objetivo com a invasão à Ucrânia seja derrubar o governo do presidente Volodymyr Zelenskyque alega ser o principal alvo da ofensiva de Moscou.

Em um briefing com jornalistas, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, afirmou que houve “algum progresso” nas negociações em Belarus, garantindo que as Forças Armadas não receberam a tarefa de “derrubar o atual governo”.

Oficialmente, o regime de Vladimir Putin diz que seu objetivo é “desmilitarizar” e “desnazificar” a Ucrânia e obter o reconhecimento da anexação da Crimeia e da soberania de Donetsk e Lugansk.

No entanto, potências ocidentais acusam a Rússia de querer instalar um governo fantoche pró-Kremlin em Kiev, assim como já acontece em Belarus, para evitar a aproximação de mais uma ex-república soviética com a União Europeia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Além disso, o próprio Zelensky disse ser o “alvo número 1” da ofensiva russa na Ucrânia.

Leia Também

Evacuação

Os dois países fecharam um acordo para manter seis corredores humanitários abertos nesta quarta-feira, envolvendo cidades como Enerhodar, Sumy, Mariupol, Volnovakha, Izium e os arredores da capital Kiev.

“Faço um apelo para que a Federação Russa assuma um compromisso público formal [de respeitar os corredores]”, disse a vice-premiê da Ucrânia, Iryna Vereshchuk. “Habitantes de Volnovakha falaram comigo e me pediram que a promessa da Federação Russa seja respeitada. As pessoas precisam sair dos lugares onde estão se escondendo da chuva de mísseis que as está matando”, acrescentou.

Apenas em Sumy, cerca de 5 mil civis foram evacuados na última terça-feira (8) e levados para Poltava, que ainda não é alvo da invasão russa. Até o momento, a guerra na Ucrânia já gerou cerca de 2,2 milhões de refugiados, segundo a ONU, e centenas de milhares de deslocados internos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR