Meteorologia alerta: chuva forte e volumosa na Costa Verde e Baixada

Gabriel de Paiva/Agência O Globo – 03.04.2022 Mulher carrega um cachorro em meio a inundação no Rio de Janeiro

Na Costa Verde e Baixada Fluminense, que foram as regiões mais castigadas no último temporal, desta sexta-feira e sábado, pode ter chuva forte até a manhã deste domingo . A previsão é do Instituto de Meteorologia (Inmet), que prevê também tempo nublado com chuva na capital durante todo o domingo, com temperatura mínima de 23 e máxima de 27 graus.

O Climatempo também alertou para o risco de chuva volumosa em Angra dos Reis durante a madrugada. Para as regiões da Costa Verde e Baixada ainda prevalece o aviso meteorológico vermelho, que representa acumulado de mais de 100mm de água, em 24h. Na Serra, a previsão também é de chuva mais forte, principalmente em Petrópolis.

Na maior parte do estado prevalece até a manhã de domingo o aviso laranja, que é quando o acumulado de chuvas atinge de 30 a 60 mm, no espaço de uma hora, ou acumulado próximo de 100mm num período de 24h. Segundo a meteorologista Marlene Leal, do Inmet, a frente fria ainda está no litoral do Rio e a previsão de que o tempo só comece a melhorar a partir de segunda-feira.

“Nós tivemos um período em que as frentes frias chegavam só a até a Região Sul do País e São Paulo, onde ficavam estacionadas. Na semana passada houve um desbloqueio, ou seja, as frentes frias conseguiram avançar para além de São Paulo, chegando ao Rio de Janeiro, contribuindo com chuvas fortes e quedas de temperatura, devido o sistema frontal e massa de ar polar” explicou Marelene Leal.

O estado registrou volumes de chuva históricos na madrugada de sexta para sábado. Em 48 horas, de acordo com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden-RJ), foram 821 milímetros em Angra dos Reis (Praia de Araçatiba), 327mm em Paraty (Mangueira), 297.5mm em Maricá (Espraido), 292mm em Mesquita (Jacutinga), 188mm em São João do Meriti (Edem) e 169.5mm em Belford Roxo (Nova Aurora).

Leia Também

Segundo o Climatempo, o fenômeno foi causado por uma frente fria de forte intensidade. Um levantamento de ar provocou instabilidade, acompanhada de ventos fortes, o que provocou um aumento do fluxo de umidade, também agravado pelo grande contraste de temperatura entre a massa de ar frio, de origem polar, e a temperatura da superfície do mar, que ainda estava elevada.

Esse fluxo persistiu e, de encontro com a topografia acidentada do Rio de Janeiro, ocasionou chuva contínua, com acumulações expressivas.

“Essa frente fria está em lento deslocamento para o Norte do estado e tende a perder sua configuração, mas o intenso fluxo de umidade ainda persiste” explica Paulo Matsuo, meteorologista do Climatempo.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR