Advogado Stefano Ferreira, especialista em Direito Digital, avalia o cenário por trás da Guerra na Ucrânia

Não é de hoje que sabemos o quanto a tecnologia é presente no cotidiano. Uma grande propagadora de notícias são as redes sociais, como Facebook (Meta), Instagram, YouTube, WhatsApp, Telegram, entre outras.

A importância e relevância dos meios digitais de comunicação é tão grande que está trazendo muito incômodo ao presidente russo Vladmir Putin. Ele vem reclamando de censura por parte das redes de comunicações digitais, o que chega a ser irônico, pois age contra todas as organizações de proteção humanas, ao invadir o território ucraniano, a fim de dizimar e tomar o território para si.

Diante de tanto poder bélico, qual a importância das redes sociais? Saiba que a manipulação de um povo é feita por meio de ideias. O poder das palavras é tão forte como uma bala de canhão. Como representação da censura sofrida, o presidente Putin impediu o funcionamento das redes sociais do grupo Facebook (Meta), demonstrando mais uma vez total controle sobre seu país.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Atividade hacker

A Ucrânia, ao contrário do seu oponente nesta guerra, tem aliados nesse mundo tecnológico, convocando até mesmo hackers para que, além da guerra física, possa abalar seu inimigo de forma cibernética, invadindo os sites, sistemas bancários e de comunicações russos.

As empresas Google, Facebook (Meta) e Twitter estão do mesmo lado, gerando sanções à Rússia para impedir a manipulação do povo com notícias falsas (fake news) e gerando prejuízos, pois desmonetizou canais e páginas financiadas ou que tenham ligação com o governo.

A empresa Space X, de propriedade de Elon Musk, também atendeu a pedidos de socorro da Ucrânia, enviando equipamentos e ativando o serviço de Internet via satélite starling, para restabelecer a comunicação digital do país.

A relevância da comunicação digital e mídias sociais é tão grande que causou uma mobilização no mesmo sentido de empresas concorrentes, bilionários e até mesmo hackers em um interesse comum, que é o fim da guerra.

Brasil pode ser afetado

O mundo digital é algo sem fronteiras, portanto, os ataques de hackers que estão ocorrendo entre Rússia e Ucrânia podem facilmente terem desdobramento por todo o mundo, inclusive no Brasil.

Esses ataques, além de limitarem o acesso à informação na Internet, podem afetar redes de abastecimento de água, energia, gás, ter acesso ao sistema judiciário, bancário e econômico de uma determinada região.

Uma guerra bélica afeta indiretamente o mundo todo, já uma guerra cibernética, afeta diretamente todo o globo, pois sabemos que hoje a tecnologia de informação é a base de qualquer república moderna.

Stefano Ferreira é advogado especialista em Direito Digital e Redes Sociais e consultor de digital influencers.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR