ONU: Consumo de drogas aumentou 26% no mundo

Banco de Imagens: 27.06.2022 Cachimbo, pílulas e drogas espalhadas pela mesa

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou nesta segunda-feira (27), uma atualização do  Relatório Mundial sobre Drogas . O documento fornece uma levantamento realizado globalmente sobre a  oferta e a demanda  de diversos tipos de substâncias, bem como seu impacto sobre a saúde dos usuários. Entre elas estão  opiáceos, cocaína, cannabis, estimulantes do tipo anfetamina e novas substâncias psicoativas (NPS).

Os jovens de hoje consomem mais drogas do que os de gerações anteriores. Os dados mostram que cerca de 284 milhões de pessoas – na faixa etária entre 15 e 64 anos – usaram drogas em 2020um aumento de 26% em relação ao ano de 2010 . Estima-se que desse total, 11,2 milhões são usuários de drogas injetáveissendo que aproximadamente metade delas vivem com hepatite C e 1,4 milhões com HIV. 

O relatório revela que o tipo de substância consumida varia de acordo a região do planeta. No leste e sudeste Europeu e na Ásia Centralos opioides  (medicamentos com efeitos analgésicos e sedativos potentes) são responsáveis pelo maior número de pessoas  em tratamento. Nos Estados Unidos e no Canadá por exemplo, as mortes por overdose são predominantemente causadas pelo  uso não medicinal  de um novo tipo opioide, o  fentanil (utilizado como medicação para a dor). Os dados mostram ainda, que a produção mundial de ópio (extraído da papoula e também utilizada na produção da heroína e da morfina) cresceu 7% entre 2020 e 2021alcançando a marca de 7.930 toneladasimpulsionado pelo aumento da produção no Afeganistão. Estimativas preliminares nos Estados Unidos  indicam que mais de 107 mil  pessoas morreram por overdose de drogas em 2021contra quase 92 mil em 2020 .

De acordo com o relatório realizado pelo Escritório sobre Drogas e Crimes da ONU (UNODC), a legalização da cannabis em algumas partes do mundo pode ser a razão pelo aumento do uso e também de impactos relacionados à saúde. Na África e na América Latinaas pessoas com menos de 35 anos representam a maioria das pessoas em tratamento devido a transtornos associados ao uso de drogas . Em muitos países africanos e latinos, a maior parte das pessoas que estão em tratamento por uso de drogas é devido a transtornos associados ao uso de cannabis .

Cocaína

O documento alerta para um aumento nunca visto antes na fabricação de cocaínauma expansão na produção de drogas sintéticas e lacunas contínuas na disponibilização de tratamentos para usuários de drogas, especialmente para as mulheres. A diretora executiva do UNODCGhada Waly , acredita que a COVID-19, não impediu a fabricação de drogas e ampliou as vulnerabilidades. “As percepções errôneas sobre a magnitude do problema e os danos associados estão privando as pessoas de cuidados e tratamento e levando os jovens a comportamentos prejudiciais”, disse Waly.

Tráfico

As apreensões do tráfico de cocaína mostran que a droga está se expandindo para outras regiões fora da América do Norte e Europa, com o aumento dos níveis de tráfico para a África e Ásia. A produção de cocaína  atingiu mais um recorde e apresentou aumento de 11% em relação a 2019, chegando a 1.982 toneladas em 2020 . As apreensões de cocaína também aumentaram para um recorde de 1.424 toneladas neste mesmo ano. Quase 90% da cocaína apreendida globalmente em 2021 foi traficada em contêineres e/ou por via marítima. O tráfico de metanfetaminas  também cresce ao redor do globo.  117 países relataram apreensões de metanfetaminas entre 2016-2020  enquanto que  2006-2010 haviam registros em 84 países . As quantidades de metanfetaminas apreendidas entre 2010 e 2020 aumentaram em cinco vezes . Houve um aumento significativo no número de laboratórios de anfetaminas na Ucrânia . Um total de 79 foram desativados em 2020em comparação com 17 no ano anterior, sendo que 67 desses laboratórios estavam produzindo anfetaminasem comparação com cinco em 2019 . Este é o maior número de laboratórios desativados relatado em um determinado país em 2020 .

Cannabis

O relatório sugere que a legalização da cannabis na América do Norte pode ter provocado aumento no uso diário da substânciasobretudo de produtos mais potentes  entre os jovens adultos. Foram relatados também aumento no número de distúrbios psiquiátricos, suicídios e hospitalizações . A legalização também aumentou a receita tributária dos estados e reduziu as taxas de prisão pela posse da substância . Em muitos países da África e da América do Sul e Central, a maior parte das pessoas que estão em tratamento por uso de drogas é devido a transtornos associados ao uso de cannabis .

Mulheres

As mulheres são minoria entre os usuários de drogas em todo o mundo, porém tendem a aumentar o consumo e a desenvolver transtornos associados ao uso de drogas mais rapidamente. As mulheres representam cerca de 45-49% dos usuários de anfetaminas e dos usuários não medicinais de estimulantes farmacêuticos, opioides farmacêuticos, sedativos e tranquilizantes.

Impactos ambientais

De acordo com o documento o meio ambiente pode sofrer impactos com os mercados de drogas ilícitas. São impactos locais, comunitários ou individuais. Entre as descobertas, está a emissão de carbono do cultivo interno de cannabis  de em média 16 a 100 vezes maior que a do cultivo de cannabis externa. A emissão de carbono de  um quilo de cocaína é 30 vezes maior que a das amêndoas de cacau . O desmatamento associado ao cultivo ilegal da coca também são um alerta, além dos resíduos gerados durante a fabricação de drogas sintéticas que podem ser 5-30 vezes do volume do produto final.   Outro problema é despejo de resíduos contaminantes no solo, água e ar.

Com informações do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime*

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR