Defesa pede a Moraes revogação da prisão do hacker Delgatti

Defesa pede a Moraes revogação da prisão do hacker Delgatti

Edilson Rodrigues/Agência Senado – 17.08.2023 Hacker Walter Delgatti Neto depondo à CPMI do 8 de Janeiro

Na última segunda-feira (21), a defesa de Walter Delgatti Neto, conhecido como hacker que desencadeou a Operação Spoofing, protocolou um pedido ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), visando a revogação da prisão preventiva e a concessão de liberdade provisória com a imposição de medidas cautelares.

Delgatti, cuja prisão preventiva foi determinada por Moraes, encontra-se detido em decorrência de uma investigação que suspeita que ele tenha recebido remuneração da deputada Carla Zambelli (PL-SP) para invadir sistemas eletrônicos do poder Judiciário.

A decisão do ministro, que concedeu a prisão preventiva, ressaltou a possibilidade de Delgatti ter acesso a sistemas judiciais e realizar novas invasões, prejudicando as investigações.

Na segunda-feira (21), o hacker foi condenado a 20 anos de prisão no âmbito da Operação Spoofing, que investiga sua participação na invasão de dispositivos móveis de autoridades ligadas à Operação Lava Jato, bem como a divulgação das mensagens obtidas.

A defesa do acusado, alinhada com o entendimento da CPI dos Atos Golpistas, busca também a inclusão de Delgatti no programa de proteção a testemunhas, dada a natureza sensível das informações que ele poderia trazer.

Os argumentos da defesa se baseiam em evidências que apontam que a invasão ocorreu em janeiro, e que Delgatti utilizou o acesso somente em 4 de janeiro. Alegam ainda que ele agiu a partir de ordens de Zambelli, com o intuito de minar a credibilidade do Judiciário e influenciar as eleições de 2022.

Delgatti também afirmou que a atuação de Zambelli contribuiu para os eventos ocorridos em 8 de janeiro, quando atos golpistas foram protagonizados. Segundo o hacker, as invasões tiveram efeitos apenas naquele mês, reduzindo a possibilidade de novas ações semelhantes.


A defesa argumenta que, por estar desempregado, Delgatti foi compelido a aceitar a oferta da deputada. Contra o entendimento de possíveis obstruções da investigação, os advogados destacam que o acusado tem colaborado ativamente com as apurações. Também ressaltam que a prisão coloca a vida do hacker em risco, especialmente após seu depoimento à CPI dos Atos Golpistas.

O STF ainda não estabeleceu um prazo para avaliar a solicitação de revogação da prisão preventiva feita pela defesa de Walter Delgatti Neto.

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR