“Buraco no peito que nunca vai sarar”, diz pai de bebê morta em creche de SC

Anna Bela Fernandes de Barros foi uma das cinco vítimas do atentado em Saudades (SC) Arquivo Pessoal/Leonardo Felipe Fernandes de Barros Anna Bela Fernandes de Barros foi uma das cinco vítimas do atentado em Saudades (SC)

Leonardo Felipe Fernandes de Barros, o pai da bebê de 1 ano e 8 meses Anna Bela Fernandes de Barros, uma das cinco vítimas do atentado em uma creche de Saudades, no Oeste Catarinenseque ocorreu na última terça-feira, 04, relatou que a família está desolada após a perda. “Não tenho palavras para explicar [o que estou sentindo]. Só existe um buraco em nossos peitos que nunca vai sarar”, descreveu.

O pai da menina concedeu entrevista ao G1 e relembrou bons momentos que passou com a filha. Ele disse que Anna Bela era carinhosa e meiga com todas as pessoas próximas a ela. “Ela é um verdadeiro anjinho. Uma de suas primeiras palavrinhas foi justamente ‘carinho’, porque ela adorava fazer em todos. Sempre estava correndo e sorrindo. Sempre fazia amizades onde estava”, contou Leonardo.

Nas redes sociais, parentes e amigos lamentam a morte prematura da segunda filha de Leonardo. “Meus sentimentos a vocês nesse momento de tamanha dor e sofrimento. Sintam-se fortemente abraçados”, escreveu uma amiga da família. Na tarde de ontem, moradores de Saudades prestaram homenagens às cinco vítimas do atentado, com fotos e flores deixadas em frente à creche.

Segundo a prefeitura de Saudades, o velório será coletivo na manhã desta quinta-feira, no Parque de Exposições Theobaldo Hermes. Uma celebração religiosa foi marcada para 9h.

Além de Anna Bela, o homem de 18 anos que invadiu a creche Pró-Infância Aquarela com dois facões, identificado como Fabiano Kipper Maitambém foi responsável pela morte de outras duas crianças, Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, e Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses. Duas mulheres também morreram, a professora Keli Adriane Aniecevski, 30, que dava aulas na unidade há 10 anos, e agente educativa Mirla Renner, 20.

Keli Adriane Aniecevski, 30, e Mirla Renner, 20, foram esfaqueadas na creche Reprodução/redes sociais Keli Adriane Aniecevski, 30, e Mirla Renner, 20, foram esfaqueadas na creche

Um menino de 1 anos e 8 meses também ficou muito ferido. Ele foi socorrido, passou por cirurgia e está na UTI de um hospital local. No momento do ataque, havia 20 crianças na creche e 5 funcionárias.

A professora Keli foi a primeira a ser atacada. Ferida, ela correu para tentar se proteger em uma sala, onde estavam Mirla e as três crianças. Foi onde o homem encontrou as vítimas e continuou o ataque. Todas foram atingidas com, pelo menos, cinco golpes de faca. A agente educacional Mirla chegou a ser socorrida, mas não resistiu.

O suspeito tentou entrar em todas as salas da creche, mas funcionárias conseguiram se trancar e proteger as crianças e a si mesmas. Uma outra professora da escola, que não estava na unidade no momento do ataque, relatou o que ouviu das funcionárias, que elas esconderam os bebês quando o assassino começou o ataque.

Contido pela vizinhança e preso pela polícia, ele deu golpes de faca contra o próprio corpo e está internado em estado grave. Na casa do assassino, a polícia encontrou R$ 11 mil e duas embalagens de facas novas.

A creche fica na cidade de Saudades, a Oeste de Santa Catarina, a 600 quilômetros de Florianópolis, e atende crianças de 6 meses a 2 anos.

Fonte: ULTIMOSEGUNDO.IG.COM.BR