China confirma primeiro contágio de cepa da gripe aviária em humanos; risco de propagação é revelado

Em um comunicado feito pela Comissão Nacional de Saúde (NHC), a China informou nesta terça-feira (1º) que registrou o primeiro contágio humano no mundo da cepa H10N3 de gripe aviária. A vítima foi um homem de 41 anos, que deu entrada em uma unidade hospitalar da cidade de Zhenjiang, apresentando um quadro de febre. Examinado e monitorado, o homem testou positivo para a cepa do vírus aviário, um mês após a internação.

Apesar do alerta, a NHC afirmou no comunicado que o risco de propagação da cepa H10N3 em grande escala, como as infecções do coronavírus, por exemplo, é extremamente remoto. “O risco de uma propagação em grande escala é extremamente baixo”, afirmou o órgão.

Situação do paciente 

O homem, que não teve a identidade revelada, tem condições estáveis. A equipe médica também vem monitorando os contatos mais próximos da vítima e não registraram nenhum tipo de “anormalidade”. A NHC classificou o H10N3 de pouco patógeno nas aves, com poucas probabilidades de levar a óbito ou acarretar doenças graves. 

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Ainda segundo o órgão, até o momento o cenário mundial não havia registrado nenhum tipo de contágio humano da H10N3. Em solo chinês, por exemplo, diversas cepas da gripe aviária já havia sido diagnosticadas em animais, mas em pessoas o risco de infecção era nulo com estas cepas.

Entre 2016 e 2017, a China registrou uma epidemia intensa de gripe aviária. Naquela oportunidade, o vírus H7N9 infectou quase 2 mil pessoas e provocou a morte de 616 pessoas, de acordo com informações da Organização das Nações Unidas (ONU).

No que se diz respeito à pandemia do coronavírus, o gigante asiático foi classificado como “berço” da disseminação da doença, sendo responsável pelo registro dos primeiros casos em solo mundial, ainda no final de 2019. 

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://assets.revcontent.com/master/delivery.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
var script=document.createElement(‘script’);script.src=’https://backstage.i7.network/tags/728a61cb4d272644/index.js?rd=’+(Math.random()*10000000000000000);document.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(script);script.onload=function(){new i7Tag({‘placement’:’i7_articles_feed’});}
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR