Pandemia deixa América Latina mais longe de erradicar o trabalho infantil

Como você se sentiu com essa matéria?

“A combinação de perda de empregos, aumento da pobreza e fechamento de escolas é uma tempestade perfeita para a proliferação do trabalho infantil”, declarou o diretor regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Vinícius Pinheiro.“A combinação de perda de empregos, aumento da pobreza e fechamento de escolas é uma tempestade perfeita para a proliferação do trabalho infantil”, declarou o diretor regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Vinícius Pinheiro.| Foto: Daniel Castellano / arquivo Gazeta do PovoOuça este conteúdo

Cerca de 8,2 milhões de crianças entre cinco e 17 anos de idade trabalham na América Latina e no Caribe, uma região que ficou mais longe de erradicar o trabalho infantil por causa da pandemia. O alerta foi feito nesta sexta-feira (11) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

“A combinação de perda de empregos, aumento da pobreza e fechamento de escolas é uma tempestade perfeita para a proliferação do trabalho infantil”, declarou o diretor regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Vinícius Pinheiro.

A organização e o Unicef destacaram que a pandemia está neutralizando os esforços da América Latina e do Caribe, a região mais atingida pela Covid-19, para atingir o objetivo de eliminar o trabalho infantil até 2025.

“Abandonar a escola e entrar no mercado de trabalho prematuramente reduz as chances de conseguir melhores empregos no futuro, perpetuando a armadilha da pobreza”, alertou Pinheiro.

Trabalho infantil em áreas rurais e urbanas

Dos 8,2 milhões de menores que trabalham na região, a maioria são meninos adolescentes, e 33% são meninas, segundo o novo relatório conjunto OIT-Unicef 2021.

O documento salientou que o trabalho infantil ocorre tanto em áreas rurais quanto urbanas, embora 48,7% seja no setor agrícola e quase 50% dos envolvidos o façam dentro de suas famílias. “Mais de 50% das crianças estão engajadas em trabalhos perigosos, o que prejudica sua saúde, educação e bem-estar”, destacam as duas organizações em um comunicado conjunto.

A OIT e o Unicef alertaram que, embora o trabalho infantil na região tenha diminuído em 2,3 milhões entre 2016 e 2020, estima-se que a pandemia possa reverter essa tendência. Isso porque o número de crianças em lares de baixa renda aumentou com a perda de emprego e renda das famílias, e estas podem recorrer à exploração da mão de obra dos menores como um “mecanismo de sobrevivência”.

O risco das crianças fora da escola

“Como muitas escolas permanecem fechadas e as famílias empobrecidas em confinamento perderam renda durante meses a fio, estamos vendo mais crianças da América Latina e do Caribe abandonando a escola e entrando no trabalho infantil”, afirmou o diretor regional do Unicef, Jean Gough.

“A região esperava ser a primeira no mundo a erradicar o trabalho infantil até 2025, mas a pandemia tornou este objetivo cada vez mais elusivo. E é provável que mais crianças em toda a região caiam em trabalho infantil nos próximos meses, a menos que as famílias recebam ajuda rapidamente”, acrescentou Gough.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR