Nova primavera negra em Cuba: ditadura aumenta repressão a artistas

Como você se sentiu com essa matéria?

Manifestantes seguram fotos de presos políticos de Cuba em protesto em frente à sede da ONU em Nova York, 23 de junhoManifestantes seguram fotos de presos políticos de Cuba em protesto em frente à sede da ONU em Nova York, 23 de junho| Foto: EFE/EPA/JUSTIN LANEOuça este conteúdo

Cuba vive um “clima de violência e repressão similar ao da chamada Primavera Negra”, denunciaram mais de 200 artistas e intelectuais cubanos e de outros países no mês passado. Eles comparam a recente onda de repressão por parte do regime de Miguel Díaz-Canel contra artistas e opositores ao período da primavera de 2003, quando Fidel Castro promoveu uma série de prisões de dissidentes, incluindo médicos e jornalistas.

Na mira do regime estão jovens, artistas, ativistas e jornalistas independentes, que são impedidos de se reunir e de se manifestar livremente, e também enfrentam vigilância e assédio policial.

Entre os recentes casos de perseguição a artistas cubanos está a prisão do rapper Ramón Eusebio López Díaz, conhecido como “El Invasor”. O músico fazia uma transmissão ao vivo em sua página no Facebook, na sexta-feira (18), quando agentes da Polícia Nacional Revolucionária de Cuba (PNR) entraram em sua casa em Bayamo e o levaram preso.

López Díaz começou a transmissão quando a polícia estava na porta de sua casa. “Isso acontece com todos aqueles que lutam contra o governo”, denunciou. O artista disse aos policiais que não tinha cometido crime algum e se negou a abrir a porta. Logo antes de sua detenção, o músico pediu aos seus seguidores que continuassem com os protestos e defendeu a liberdade de expressão. Nesse momento, os policiais invadiram a sua residência, o algemaram e a transmissão foi encerrada.

López Díaz anunciou na segunda-feira pelo Facebook que estava de volta a sua casa. Não houve informações oficiais sobre os motivos da prisão do artista.

Na quarta-feira (23), vários artistas amanheceram com vigilância policial em frente às suas casas em Havana, relatou o ADN Cuba. Na mesma data, a ONU votava a resolução apresentada por Cuba que pede o fim do embargo americano à ilha (leia mais abaixo).

A tática de cercos policiais ao domicílio de dissidentes tem sido empregada pelo regime cubano contra artistas. Luis Manuel Otero Alcântara, artista e ativista da oposição, sofreu assédio policial em sua casa por um mês. Após dar início a uma greve de fome, ele ficou confinado em um hospital por um mês, onde relatou ter sofrido tortura. A Anistia Internacional o classifica como prisioneiro de consciência.

Na segunda-feira, o regime deteve Otero Alcântara mais uma vez, quando ele se dirigia para uma reunião virtual para denunciar a prisão de vários ativistas que se manifestaram em sua solidariedade na rua onde vive em Havana. Após passar horas “desaparecido”, o artista disse em vídeo que a polícia o “sequestrou” e ele passou por horas de detenção e interrogatório.

A ONG Prisoners Defenders afirma que o número de prisioneiros políticos em Cuba é o maior em 18 anos. Um relatório da organização divulgado em 1 de junho atesta que há 150 presos e condenados políticos no país. Para a ONG, Cuba chegou a “uma nova Primavera Negra em 2021”.

Segundo o manifesto de 27 de maio, com a popularidade da canção Patria y Vida, uma música gravada por vários artistas cubanos em fevereiro que questiona o governo comunista e denuncia a crise política e econômica da ilha, cresceu também a perseguição a Otero Alcántara e a Maykel (Osorbo) Castillo Pérez, coautor da música que foi preso.

“Cercos policiais, detenções arbitrárias, mulheres abusadas e golpeadas por policiais e funcionários públicos, câmeras de vigilância instaladas por empresas do governo em frente às residências de ativistas, além do cancelamento de linhas telefônicas e sinal de internet, impedindo a comunicação e denúncia das atrocidades da ditadura”, lista o manifesto.

Manifestação

Dezenas de cubanos se reuniram, na quarta-feira, em frente à sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York para pedir liberdade aos presos políticos, enquanto a Assembleia Geral votava a resolução anual contra o embargo dos Estados Unidos a Cuba.

A resolução, que não é vinculante, foi aprovada com o apoio de 184 países e teve o voto contrário de EUA e Israel, além de três abstenções, de Colômbia, Ucrânia e Emirados Árabes.

Após um ano de pausa por causa da pandemia, Cuba voltou a levar à ONU sua denúncia ao embargo, que desde 1992 vem sendo aprovada com grande apoio da comunidade internacional. Em 2019, na última vez que o pedido foi votado, o texto teve o apoio de 187 dos 193 Estados-membros, mas com um voto contra a mais, do Brasil, que agora não se pronunciou.

Nos últimos meses, o governo cubano realizou uma intensa campanha de denúncia do embargo, endurecido pelo ex-presidente americano Donald Trump. O governo do republicano estabeleceu medidas para dificultar ainda mais as transações econômicas e a chegada de turistas americanos e, além disso, incluiu o país na lista de patrocinadores do terrorismo. O governo de Joe Biden, entretanto, prometeu rever estas ações, mas, por agora, deixou claro que não vê a questão cubana como uma prioridade.

Com informações da Agência EFE.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR