Mãe fica um mês com a filha natimorta em casa para amenizar dor do luto: 'Aqueceu meu coração'

Enfrentar a dor do luto é uma tarefa nada fácil. A mãe Amy Dutch, de 25 anos, sofreu bastante com a perda precoce da filha Alicia-Mae. A pequena nasceu com apenas 26 semanas de gestação. Para tentar amenizar a dor da perda, a mulher teve uma permissão especial e pôde levar a filha para casa mesmo ela estando sem vida.

Em uma entrevista concedida ao portal de notícias The Sun, a mulher relatou que tinha um bercinho refrigerado que auxiliava na preservação do corpo da criança. Nesse período em que esteve com a filha, Amy disse que cantou músicas e leu histórias. Além disso, ela tirou muitas fotografias e fez questão de dormir ao lado da criança.

O berço refrigerado permite que os pais em luto possam ter mais tempo com os bebês que acabam nascendo natimorto. “Durante toda a gravidez, pensava na ideia de ter um moisés na minha cama e, em seguida, acordar com meu bebê chorando. Essa imagem nunca se concretizou, mas o fato de que eu ainda poderia fazer metade dela se tornar realidade realmente aqueceu meu coração”, desabafou a mulher que chegou a pensar que havia morrido junto com a filha.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Ela disse que muitas pessoas podem estar julgando sua atitude e achando estranho a ideia de ter um bebê natimorto por dias em casa, mas para ela foi a maneira encontrada para conseguir lidar com a dor da perda e fez questão de ressaltar que cada pessoa lida com o luto de uma maneira diferente.

A mãe contou que descobriu a gestação no final do mês de novembro de 2020, e disse que ficou empolgada com o teste positivo. Amy contou que a gestação foi difícil, mas linda e contou que passou mal durante o período todo. Ela disse que sentia dores, alteração de humor e havia uma suspeita de pré-eclâmpsia. Quando completou 26 semanas, percebeu que alguma coisa não estava bem, pois não sentia a filha mexendo.

Após um exame foi detectado que não havia batimento cardíaco. Ela disse que nada alivia a dor de ter perdido um bebê, mas ficou feliz em conseguir passar mais tempo com a filha.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://assets.revcontent.com/master/delivery.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
var script=document.createElement(‘script’);script.src=’https://backstage.i7.network/tags/728a61cb4d272644/index.js?rd=’+(Math.random()*10000000000000000);document.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(script);script.onload=function(){new i7Tag({‘placement’:’i7_articles_feed’});}
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR