Nicarágua: Regime Ortega prende o 6º pré-candidato presidencial opositor

Como você se sentiu com essa matéria?

Medardo Mairena, aspirante ao cargo de presidente da Nicarágua, foi detido pelo regime OrtegaMedardo Mairena, aspirante ao cargo de presidente da Nicarágua, foi detido pelo regime Ortega| Foto: Reprodução/Twitter/@MedardoMairenaOuça este conteúdo

A ditadura de Daniel Ortega prendeu nesta segunda-feira (5) o sexto aspirante à presidência da Nicarágua, quatro meses antes da eleição no país. Medardo Mairena foi detido na mesma noite em que outros três líderes do Movimento Campesino – Pedro Mena, Fredy Navas e Pablo Morales – e dois jovens opositores da Aliança Universitária Nicaraguense (AUN) – Lesther Alemán e Max Jerez – também foram levados pela polícia nicaraguense.

A ditadura empreendeu em uma caçada contra opositores no fim de maio e até agora prendeu seis pré-candidatos, entre eles a jornalista Cristiana Chamorro e Arturo Cruz, um ex-aliado de Ortega que hoje é pré-candidato pela Aliança Cidadã pela Liberdade, uma coalizão de partidos de direita. Todos são acusados de “traição à Pátria”, de acordo com a Lei de Defesa dos Direitos do Povo à Independência, Soberania e Autodeterminação pela Paz, por supostamente tentarem derrubar Ortega com apoio dos Estados Unidos.

A perseguição foi repudiada por vários ativistas de direitos humanos, países e organizações internacionais. No mês passado, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, disse que nenhuma recomendação de seu escritório foi seguida por Ortega e que a situação no país está piorando.

“O direito político das pessoas de votar na pessoa de sua escolha foi seriamente prejudicado porque a sociedade civil e a comunidade internacional foram excluídas do processo eleitoral. Houve severas limitações nas liberdades de expressão, reunião pacífica e participação política”, disse Bachelet em um informe.

Mas as prisões da noite passada são sinal de que, para Ortega, pouco importa a opinião internacional frente ao seu projeto para continuar no poder após as eleições de 7 de novembro. Nesta semana, a polícia da Nicarágua rejeitou um pedido humanitário para que um grupo de 15 dirigentes e trabalhadores de ONGs, capturados em uma recente onda de prisões contra dissidentes, tenham contato com seus advogados e parentes, segundo denunciaram seus representantes legais.

De acordo com a agência de notícias EFE, Mairena já havia sido preso pelo regime durante os protestos contra o regime sandinista em abril de 2018. Na época, um juiz aliado de Ortega o condenou a mais de 200 anos de prisão por matar quatro policiais, mas logo depois Mairena foi anistiado.

O Cenidh (Centro de Direitos Humanos da Nicarágua) disse que o país viveu nesta segunda-feira “uma noite de terror” por causa das várias detenções de opositores.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR