Afeganistão é o terceiro país com maior número de pessoas refugiadas no mundo

A volta do Talibã ao Afeganistão e a corrida dos afegãos ao aeroporto de Cabul em busca de um novo lar diante da tomada da capital pelo grupo islâmico reacende um debate mundial: a crise dos refugiados. Segundo um relatório do Acnur, o alto comissariado das Nações Unidas para refugiados, já no final de 2020 o Afeganistão era o terceiro país no mundo com maior número de pessoas refugiadas.

São 2,6 milhões de afegãos que tiveram que buscar proteção internacional, segundo o relatório. O alto número de refugiados faz com que o Afeganistão fique atrás apenas da Síria e da Venezuela nesse ranking.

Apenas em 2020, mais de 76 mil solicitações de refúgio foram feitas por pessoas do Afeganistão. Esta tendência deve se repetir em 2021, visto que o Talibã tomou o palácio presidencial em Cabul, capital do Afeganistão, no último domingo (15), assumindo o poder no país.

Segundo o relatório, entre os deslocados internos, o Afeganistão ocupava globalmente a sexta posição –- somando quase 3 milhões de famílias que tiveram que deixar suas casas, mas que ainda permanecem no país.

De acordo com o Acnur, o aumento da violência e da insegurança levaram ao deslocamento de cerca de 550 mil pessoas que foram forçadas a deixar suas casas desde o início de 2021, sendo 70% desde maio deste ano. 

Aproximadamente 80% dos cerca de 250 mil afegãos forçados a abandonar suas casas desde o final de maio deste ano são mulheres e crianças.

Aumento nos números

Diante do contexto atual e após a retirada das tropas dos Estados Unidos do país, o cenário que se avizinha pode contribuir para o aumento destes números. Nesta terça-feira (17), um avião militar cargueiro decolou de Cabul com 640 afegãos a bordo rumo ao Catar. Milhares ainda aguardam concessão de vistos para deixarem o país. 

Os impactos totais do conflito e da situação política no país ainda não são claros. O Acnur diz estar pronto para ajudar as autoridades nacionais a ampliar as respostas humanitárias conforme necessário, já que a impossibilidade de buscar segurança coloca em risco inúmeras vidas de civis.

Destaques do CNN Brasil Business

Embora o trabalho global do Acnur seja inteiramente humanitário e não político, é essencial que a agência tenha livre acesso aos civis e comunidades que estejam em situação de vulnerabilidade no país. As equipes atuam inicialmente nas prioridades mais críticas, fornecendo alimentos, abrigo, kits e assistência para salvar vidas. 

O alto comissariado da ONU para refugiados reforça o pedido para que todos os estados permitam o acesso aos seus territórios para que as pessoas que fogem da perseguição do Talibã possam encontrar proteção e receber assistência humanitária.

Em relação aos afegãos que tiveram suas solicitações de refúgios reprovadas e esgotaram todas as opções legais, a agência da ONU pede que os estados tenham a devida cautela em relação ao seu retorno ao Afeganistão.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, autorizou, no último sábado (14), o envio de 5 mil soldados norte-americanos para ajudar na retirada de cidadãos do país e garantir uma saída "ordeira e segura" das equipes militares e de seus aliados. 

Durante a tomada de Cabul, não houve resistência por parte do exército afegão. Em seu primeiro pronunciamento após combatentes do Talibã tomarem o poder da capital, Biden admitiu que o país cometeu erros, mas disse que não se arrepende de ter determinado a retirada de tropas americanas do país.

Fonte: CNNBRASIL.COM.BR