China quer expandir influência na Argentina investindo em energia

Como você se sentiu com essa matéria?

Usina nuclear Atucha II na Argentina. Imagem ilustrativa.Usina nuclear Atucha II na Argentina. Imagem ilustrativa.| Foto: Mcukilo/Wikimedia CommonsOuça este conteúdo

A Argentina quer superar seus problemas de fornecimento de energia elétrica com a construção de mais uma usina nuclear, desta vez contando com apoio chinês.

Essa seria a terceira usina nuclear em Atucha, reiniciando uma parceria que foi discutida entre 2014 e 2017.

Nesse período, a China já mostrava interesse na Argentina para a expansão de energia nuclear no país, que já passava por uma crise econômica. A China queria fornecer capital subsidiado para construção de um projeto de longo prazo e de alto risco.

As negociações foram iniciadas pela ex-presidente Cristina Kirchner e continuadas pelo ex-presidente Mauricio Macri, que até chegou a assinar um plano de ação com o presidente chinês Xi Jinping para cinco anos (2019-2023), mas o projeto nuclear entrou num impasse e não recebeu aprovação formal da Argentina.

Agora o presidente argentino Alberto Fernández que reativar o projeto.

Somando toda a capacidade geração dos reatores atuais, as usinas argentinas são capazes de gerar 1.641 MW, representando 7,5% da energia do país. A nova unidade deve gerar 1.200 MW e utilizará tecnologia chinesa Hualong, quase dobrando sozinha a capacidade de produção.

O país tem até agora 3 usinas nucleares, Atucha I e II e Embalse. A Atucha III será a quarta usina nuclear da Argentina, construída nas proximidades de duas outras estações de mesmo nome e que já estão em operação. Essa será, porém, a primeira a contar com tecnologia de reatores chineses.

José Luis Antúnez, presidente da estatal Nucleoeléctrica Argentina SA, estatal responsável pela energia nuclear do país, afirmou à imprensa argentina em meados de agosto que tem pressa em concluir as negociações e formalizar o contrato para “iniciar a construção no segundo semestre do próximo ano”.

Não se sabe ainda os valores da nova negociação. O contrato anterior previa um custo de US$ 8 bilhões para a construção da Atucha III, com o Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) financiando 85% do projeto.

O prazo da construção da usina é de 8 anos a partir da assinatura do contrato. E serão cerca de 5 mil trabalhadores que serão empregados na construção da usina.

Esse não é, contudo, o único interesse na produção de energia que a China possui na Argentina.

Produção de gás

O Ministério de Energia assinou em maio desse ano um memorando de entendimento para estudar a viabilidade para construção de um gasoduto que liga Vaca Muerta a Santa Fé (província próxima do Rio Grande do Sul). Além de alimentar a região, o gasoduto permitiria que a Argentina exportasse gás para o Mercosul no longo prazo.

Duas estatais chinesas seriam responsáveis por financiar o projeto a PowerChina e a Shanghai Eletric Power Construction. O memorando assinado pelo secretário de Energia, Darío Martínez, visa iniciar a elaboração do projeto executivo.

O presidente da filial argentina da PowerChina, Tu Shuping, afirmou ao La Nación que o mercado de energia é “de muito risco e pouco lucro, mas não olhamos apenas para o interesse econômico. Como estatal, vemos também a relação estratégica”.

O custo total da obra é estimado em US$ 3 bilhões de dólares que seriam financiados com bancos chineses.

Caso se concretize, esse seria o 12.º projeto da PowerChina na Argentina, que possui cinco parques eólicos e seis solares.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do Povo xSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR