Homem leva Round 6 para a Coreia do Norte e pagará o preço com a própria vida

A série Round 6, da Netflix, se tornou o maior sucesso da plataforma de streaming de todos os tempos. A produção quebrou diversos recordes, ficando por várias semanas coma a produção mais assistida pelos assinantes.

Round 6 é uma série produzida na Coreia do Sul, que foi lançada no dia 17 de setembro deste ano. A trama central conta a história de 456 pessoas convidadas a arriscarem a própria vida em um misterioso jogo de sobrevivência, regado a muita violência. O prêmio final, para o único sobrevivente, é de 38,7 milhões de dólares.

A produção da Netflix é proibida na Coreia do Norte pela lei de “Eliminação do Pensamento e Cultura Reacionários”, que foi aprovada em dezembro de 2020. Nela, fica regulamentada a proibição do comércio e divulgação de filmes, livros e músicas no país, com o objetivo de intensificar o afastamento da mídia da Coreia do Sul e dos Estados Unidos.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Porém, um contrabandista tentou burlar essa lei e foi identificado em seguida, após estudantes do ensino médio terem sido flagrados assistindo ao conteúdo. Essa informação foi dada pela Radio Free Asia, que tem sede nos Estados Unidos.

Ainda de acordo com a agência de notícias, os vídeos de Round 6 entraram no país armazenados em pen drive, pela fronteira com a China. O homem que trouxe tal conteúdo pagará com a própria vida. Ele foi condenado à morte e essa pena poderá ser executada por um pelotão de fuzilamento.

As autoridades do país ainda teriam determinado que um dos estudantes recebesse a condenação de prisão perpétua, e outros seis deles fossem sentenciados a prestarem serviços de trabalho forçado. Os professores e os outros funcionários da instituição de ensino foram demitidos, correndo o risco de serem enviados a realizar trabalhos em minas remotas.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR