Com interrupções na coleta, ruas de Beirute e outras cidades são tomadas por montanhas de lixo

Como você se sentiu com essa matéria?

Greves e interrupções no recolhimento do lixo são comuns no Líbano, país que vem sofrendo uma grave crise econômica nos últimos anos| Foto: Reprodução/Al-MayadinOuça este conteúdo

Lixo tem se acumulado nas últimas semanas nas ruas da capital do Líbano, Beirute, e em outras cidades, devido a greves de funcionários que trabalham na coleta.

Em 1º de abril, os trabalhadores da empresa City Blue, que recolhe lixo em Baabda, Aley e Shouf, cruzaram os braços, alegando que os salários não vinham sendo pagos. Segundo a emissora Al-Mayadin, a empresa alegou que o poder público não vinha honrando os seus compromissos e também citou o limite mensal que os bancos estipulam para retiradas.

Os trabalhos foram retomados poucos dias depois, quando a City Blue informou que o Banco do Líbano concordou em isentar a folha de pagamento da empresa das cotas de retirada.

Na Ramco, empresa que coleta lixo nos distritos de Metn e Keserwan e em Beirute, os funcionários entraram em greve no dia 6 de abril, já que não haviam recebido os salários de março, mas retomaram o trabalho horas depois, de acordo com a emissora LBC. Porém, na sexta-feira passada (15), o serviço foi novamente interrompido.

Greves e interrupções no recolhimento do lixo são comuns no Líbano, país que vem sofrendo uma grave crise econômica nos últimos anos, exacerbada pela pandemia de Covid-19 e pelas explosões no porto de Beirute, em agosto de 2020.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR