Por que a política verde de Petro na Colômbia pode ser um grande erro

Como você se sentiu com essa matéria?

Plataforma para extração de gás natural em Cartagena: plano de governo do presidente eleito prevê que novas licenças para a exploração de hidrocarbonetos não serão concedidas| Foto: EFE/Ricardo Maldonado RozoOuça este conteúdo

Durante sua campanha vitoriosa para presidente da Colômbia, o esquerdista Gustavo Petro alegou que os “três principais produtos de exportação” do país são “três venenos”.

“O mais poderoso é o carvão, que extraem do Caribe, La Guajira e Cesar [região e departamentos colombianos]. Depois o petróleo, que tiram do Piedemonte Llanero [sub-região colombiana], e depois a cocaína”, declarou.

Petro planeja durante seu governo iniciar uma transição energética, na qual a economia colombiana em 15 anos deixaria de ser dependente de combustíveis fósseis e privilegiaria fontes de energia limpas.

“Faremos uma desescalada gradual da dependência econômica de petróleo e carvão. Em nosso governo, será proibida a exploração de reservas não convencionais, serão interrompidos os projetos-piloto de fracking e o desenvolvimento de reservas no mar. Não serão concedidas novas licenças para a exploração de hidrocarbonetos, e a mineração em grande escala a céu aberto não será permitida”, aponta o plano de governo do ex-guerrilheiro, que prevê também uma política de compensações para que reservas de carvão e petróleo não sejam exploradas.

Empresários do setor de energia colombiano e especialistas consideram que essas metas podem gerar grandes danos às contas públicas e à economia do país nos próximos anos.

De acordo com a Associação Colombiana do Petróleo e Gás (ACP), se apenas forem mantidos os contratos vigentes para a exploração de hidrocarbonetos, em 2026 a Colômbia precisaria passar a importar gás e em 2028, petróleo para consumo interno.

Alexandra Hernández Saravia, vice-presidente de assuntos econômicos e regulatórios da ACP, destacou em entrevista ao jornal La República os efeitos colaterais que essa situação provocaria.

“Quando um país precisa gastar mais dólares em energia, isso impacta a economia além da conta de gás e dos custos dos domicílios. Há uma questão macroeconômica: o setor sustenta o dólar, o custo dos alimentos, insumos e cartões de crédito”, argumentou.

O veto a novas licenças resultaria numa perda de US$ 45 bilhões em exportações em dez anos, estimou a ACP.

Segundo o site de notícias La Silla Vacía, o petróleo e seus derivados representaram 52% das exportações colombianas no primeiro trimestre deste ano e 8,5% do investimento estrangeiro direto em 2021.

“Fazer uma transição muito rápida [de matriz energética] pode deixar a Colômbia sem os recursos necessários para financiar a mesma transição, mas também para superar os números da pobreza”, apontou o ex-ministro de Minas e Energia Tomas González, hoje diretor do Centro Regional de Estudos Energéticos, ao La Silla Vacía.

Segundo a ACP, se levada a cabo, a política energética de Petro geraria em quatro anos perdas fiscais que representariam 40% do que o governo colombiano gasta em programas sociais.

“A Colômbia tem petróleo e gás, não somos grandes produtores, mas há recursos importantes. O contexto europeu nos ensinou a não depender de outros países para o fornecimento de energia”, alertou Francisco Lloreda, presidente da ACP.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR