Relatório aponta aumento de massacres na Colômbia ligados a facções

Relatório aponta aumento de massacres na Colômbia ligados a facções

Como você se sentiu com o conteúdo dessa matéria?

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, assumiu o cargo em agosto do ano passado| Foto: EFE/ Natalia PedrazaOuça este conteúdo

Um relatório feito pela ONU apontou um aumento da ação violenta de grupos criminosos na Colômbia. Somente no primeiro semestre deste ano, 52 massacres foram registrados, um crescimento de 11% em comparação com o mesmo período em 2022.

O documento foi divulgado nesta terça-feira (15), durante uma apresentação da situação humanitária do país pelo representante de Direitos Humanos da ONU na Colômbia, Juliette De Rivero.

Os números revelam que 168 pessoas foram mortas em atos supostamente ligados a facções colombianas, entre as quais 19 eram menores de idade.

No ano passado, o presidente do país sul-americano, Gustavo Petro, primeiro esquerdista à frente do Executivo colombiano, iniciou tentativas de cessar-fogo com importantes grupos ligado ao crime organizado e o narcotráfico.

No início deste mês, o governo conseguiu firmar um acordo de paz com duração de seis meses com os rebeldes do Exército de Libertação Nacional (ELN), após tentativas frustradas.

Em caminho contrário, outro acordo feito com o Clã Del Golfo, também conhecido como Força de Autodefesa Gaitanista da Colômbia (AGC), foi cancelado após um suposto envolvimento do grupo com um protesto de garimpeiros informais, em março.

A Colômbia, maior produtora e fornecedora de cocaína no mundo, enfrenta mais de cinco décadas de conflitos violentos no país devido à atividade de facções, narcotraficantes e grupos paramilitares.

Neste mês, Petro completou um ano de governo, com uma gestão marcada por escândalos e acusações de corrupção.

O caso mais recente foi a prisão de seu filho, Nicolás Petro, em julho, junto à ex-mulher, Daysuris Vásquez, por suspeita de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito. Em um das declarações feitas ao Ministério Público, o filho do presidente afirmou que a campanha do pai foi financiada pelo narcotráfico.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com o conteúdo dessa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR