Maiores bancos do Brasil já não esperam corte de juros nesta semana

Maiores bancos do Brasil já não esperam corte de juros nesta semana

Agência Brasil A Selic exerce um impacto direto tanto na economia quanto na população

Os quatro maiores bancos privados do Brasil, o Itaú, o Bradesco, o Santander e o BTG Pactual, já não esperam mais em corte de juros na próxima quarta-feira (19), na reunião do  Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). Essa alteração indica uma previsão de que a  taxa Selic permanecerá no atual nível de 10,50% ao ano. 

Na semana passada, a maioria dos bancos consultados pelo BC ainda não havia mudado para essa posição. A maioria deles esperava uma diminuição de 0,25 ponto percentual, para 10,25% ao ano, na reunião do Copom desta semana.

A Selic exerce um impacto direto tanto na economia quanto na população, influenciando o consumo, o crédito e os investimentos de forma direta e indireta. O indicador também é usado para corrigir parte da dívida pública.


O que dizem os bancos?

O Itaú afirma  que revisou suas projeções de Selic para 10,50% ao final de 2024 e 2025, levando em conta o cenário de inflação crescente e incertezas econômicas. O BTG mantém a expectativa que o Copom mantenha a taxa Selic em 10,50% ao ano, ressaltando um cenário global incerto e a resiliência da atividade econômica doméstica.

Já o Bradesco, espera “estabilidade no corte de juros. Após a comunicação do Banco Central ser mais enfática na preocupação com a desancoragem das expectativas de inflação, entendemos que não haverá corte de juros nas próximas decisões.” O Santander vai na mesma linha e diz que, “diante do cenário atual, não esperamos cortes na reunião da próxima semana.”

O Banco Central define a taxa de juros com base em projeções futuras de inflação, considerando que os efeitos das mudanças na Selic levam meses para se refletir completamente na economia. No momento, o BC está concentrado nas metas de inflação estabelecidas para 2024 e 2025, que variam entre 1,5% e 4,5%.

Quer ficar por dentro das principais notícias do dia? Clique  aqui e faça parte do nosso canal no WhatsApp.

Fonte: ECONOMIA.IG.COM.BR