Mulher tem condição rara de um único seio

Mulher tem condição rara de um único seio

Reprodução/Instagram Rebecca Butcher exibe orgulhosamente o seu corpo, sem medo de julgamentos

A britanica Rebecca Butcher nasceu com uma condição rara chamada de síndrome de Poland, que a faz ter um único seio. Nas redes sociais, ela conta a sua jornada até a descoberta da síndrome e compartilha informações sobre ela, para que mais pessoas tenham consciência sobre o assunto. 

Entre no canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

Em um dos vídeos publicados pela inglesa na plataforma do Tik Tok, ela conta ter percebido que seu corpo era diferente do das outras pessoas no início da adolescência, devido a um de seus seios estar crescendo mais rapidamente do que o outro. 

Ao procurar um médico para entender o que estava acontecendo, foi dito a ela que era algo comum ter seios de tamanhos diferentes e com o tempo, essa diferença diminuiria. No entanto, a assimetria foi se acentuando com o passar dos anos, até que um dia, cansada de se esconder e querendo encontrar respostas, ela vasculhou a internet, até encontrar a rara síndrome de Poland, que é caracterizada pela falta ou assimetria das mamas. 

Siga também o perfil geral do Portal iG.

“Eu estava tendo que encher meu sutiã com meias e usar gola alta para escondê-lo porque eu não queria que ninguém soubesse”, relembra Butcher. 

Entretanto, quando Rebecca mostrou a sua descoberta para o médico com quem se consultou, ele alegou que não poderia diagnosticá-la com essa síndrome, pois apesar de o profissional acreditar que ela teria a condição, ele não havia estudado sobre Poland na faculdade. 

“Ele disse ‘sim, tenho certeza de que é isso que você tem, mas não posso diagnosticar porque não sei nada sobre isso’”, conta a mulher. 

Rebecca Butcher passou por pelo menos onze profissionais da saúde, com cada um dando um diagnóstico diferente e sem receber o auxílio necessário, até que ela decidiu deixar de buscar ajuda medica e optou por se encontrar com outras pessoas que também têm a mesma síndrome que ela. Hoje, Rebecca relata que sente orgulho de seu corpo e que não tem interesse em colocar próteses de mama. 

“Sinto que nunca saberei tudo sobre essa condição, mas eu acabei aceitando isso”, afirma Butcher.

Fonte: DELAS.IG.COM.BR