Em caso raro, gêmeas siamesas nascem com 3 braços; futuro das recém-nascidas ainda será definido

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Uma mulher indiana deu à luz gêmeas siamesas neste mês de abril. As meninas nasceram em uma clínica particular localizada no município de Kendrapara, em Odisha. As pequenas nasceram unidas pelo abdômen e peito. O médico que deu assistência durante o nascimento das siamesas falou sobre a questão de bebês que nascem nesse tipo de situação.

“Gêmeos siameses são uma anomalia congênita rara. As irmãs compartilham um único corpo, três braços e duas pernas. Elas estão comendo com duas bocas e respirando com dois narizes. Depois de um ultrassom dos bebês, os detalhes da anormalidade serão conhecidos”, explicou a imprensa local, o Doutor Debasish Sahoo, que é o consultor pediátrico do distrito.

De acordo com os especialistas, as duas meninas que nasceram por meio de uma cesárea tem o quadro clínico atual considerado estável no momento. A família das meninas está buscando auxílio do governo para poder fazer o tratamento das gêmeas. Em alguns casos similares as autoridades do país atuaram ajudando as famílias.

var vitag = vitag || {};
vitag.outStreamConfig = {
distanceBottom: 65, // 0- 120 px,
}
vitag.videoDiscoverConfig = { random: true, noFixedVideo: true }; (vitag.Init = window.vitag.Init || []).push(function () { viAPItag.initInstreamBanner(“vi_937432432”) });
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Os pais das siamesas trabalham na agricultura e moram em uma aldeia pequena, explicou o jornalista Pravat Kumar. Ele contou que Ambika e Umakant Parida não teriam condição financeira de pagar pelos custos da cirurgia.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A mãe indiana tem mais um filho e no começo do período gestacional chegou a fazer exames. Porém, na ocasião os médicos que fizeram o atendimento não falaram nada sobre a condição das meninas, ou seja, os profissionais não relataram nada sobre as pequenas serem siamesas. Depois do parto, as garotas foram encaminhadas da clínica particular para o hospital do distrito, e posteriormente foram transferidas para o Instituto de Pós-graduação de Pediatria em Cuttack, local em que as gêmeas vão receber tratamento e atendimento especializado.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
var script=document.createElement(‘script’);script.src=’https://backstage.i7.network/tags/728a61cb4d272644/index.js?rd=’+(Math.random()*10000000000000000);document.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(script);script.onload=function(){new i7Tag({‘placement’:’i7_articles_feed’});}
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.COM.BR