Mãe trava árdua luta por tratamento da filha de 4 anos com garganta em processo de 'fechamento'

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Uma mãe tem travado uma luta árdua pela vida da sua filha. O fato achou ganhando repercussão nas redes sociais em forma de apelo pela saúde da pequena Maria Clara, que tem quatro aninhos. Ela sofre de uma má-formação vascular mista, que também é chamada de arteriovenosa. A condição faz com que a criança tenha um inchaço grande no lábio inferior e também na língua.

O problema de saúde é evolutivo e já comprometeu 50% da garganta da garotinha, que vai necessitar de oito intervenções cirúrgicas. Sem ter sucesso com os dois planos de saúde, Sandrine Chagas, de 33 anos, compartilhou um desafio na web com o intuito de buscar financiamento coletivo para poder conseguir dinheiro para cobrir as despesas dos procedimentos que vão ficar em torno de 65 mil reais cada.

Maria Clara tinha menos de um mês de vida quando foi diagnosticada inicialmente com hemangioma, que são acúmulos de vasos sanguíneos que resultam em um tumor. A menina já tinha a língua maior do que o normal para uma criança recém-nascida. Isso provocou muita dificuldade durante a amamentação.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Com o primeiro diagnóstico confirmado veio o começo do tratamento com propranolol. Na ocasião, ela havia sido informada que o uso do medicamento faria a língua e o lábio da filha voltar a ter um tamanho normal. Sem uma melhora da situação, a família começou a buscar informações por conta própria e a pernambucana conseguiu uma consulta em São Paulo.

Após ter sido submetida a uma ressonância, a menina recebeu um diagnóstico completamente diferente dos anteriores, o de má-formação vascular arteriovenosa. A condição não tem cura, mas tratamentos podem minimizar e até mesmo estacionar as lesões. Por isso, no caso da pequena tempo é algo essencial.  

“Ela não consegue comer comidas sólidas, pois já está com 50% da garganta obstruída”, explicou a mãe. Se a garganta ficar mais inchada vai ser necessário fazer uma traqueostomia, que é a colocação de um tubo na traqueia que vai ajudar a menina a respirar. A mãe disse que a menina precisa de ajuda, pois já não brinca ou consegue dormir da mesma maneira que antes.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://assets.revcontent.com/master/delivery.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
var script=document.createElement(‘script’);script.src=’https://backstage.i7.network/tags/728a61cb4d272644/index.js?rd=’+(Math.random()*10000000000000000);document.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(script);script.onload=function(){new i7Tag({‘placement’:’i7_articles_feed’});}
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR