Morte provocada por fungo negro é registrada na Paraíba e está sob investigação; número de casos alerta

Uma mulher morreu vítima de mucormicose, popularmente conhecida como fungo negro, na Paraíba. De acordo com informações da Secretaria de Estado da Saúde, a paciente era do município de Areia de Baraúnas, e estava internada no Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa.

A idade e identificação da mulher, no entanto, não foi revelada. Seguindo a linha dos últimos casos registrados do fungo negro, a mulher teve Covid-19 e foi posteriormente diagnosticada com a mucormicose. 

A doença do fungo possui uma letalidade de aproximadamente 50%. No cenário atual, os casos têm sido computados em sua maioria em pessoas que tiveram ou estão positivadas para o coronavírus. Na Índia, no mês passado, 9 mil pacientes que se recuperaram da Covid-19 foram diagnosticados com a mucormicose.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Diferentemente da infecção pelo coronavírus, a doença do fungo negro não é contagiosa, ou seja, não há a contaminação de um humano passando para outro. A enfermidade atinge, em sua maioria, pessoas com comorbidades, como, por exemplo, diabetes, em que o sistema imunológico se encontra debilitado. 

Além da taxa alta de letalidade, a mucormicose pode acarretar mutilações em partes do corpo para remoção de áreas necrosadas, afetadas diretamente pelo fungo.

Outro caso suspeito

Além deste óbito registrado, o estado da Paraíba também investiga outro caso suspeito de fungo negro. Embora tenha “ressurgido” em paralelo com a Covid-19 neste ano, a mucormicose não é uma doença nova, tendo sido registrada pela primeira vez em 1865, e já circulava em solo nacional, mas o índice de casos já liga o alerta dos especialistas.

A mucormicose não era classificada como tão preocupante, visto que a maioria das pessoas possui defesas no organismo para lidar com o fungo. Entretanto, com a Covid-19, o cenário vem sendo diferente, visto que os pacientes ficam com a imunidade baixa, o que pode ser uma porta de entrada para a ação do fungo. 

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://assets.revcontent.com/master/delivery.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
var script=document.createElement(‘script’);script.src=’https://backstage.i7.network/tags/728a61cb4d272644/index.js?rd=’+(Math.random()*10000000000000000);document.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(script);script.onload=function(){new i7Tag({‘placement’:’i7_articles_feed’});}
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR