Como Portugal foi de líder em mortes por Covid-19 a zero vítimas em 3 meses

BBC News Brasil

Covid: como Portugal foi de líder em mortes a zero vítimas em 3 meses Reprodução: BBC News Brasil Covid: como Portugal foi de líder em mortes a zero vítimas em 3 meses

De campeão de mortes e casos na União Europeia a único país sem mortes por covid-19 em 24 horas na região. Portugal viveu dois extremos durante esta pandemia em um curto espaço de apenas três meses.

Na terça-feira (27/04), a Direção-Geral de Saúde de Portugal, órgão ligado ao ministério da Saúde do país, registrou em seu boletim 196 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas e zero mortes.

O país de 10 milhões de habitantes acumulou mais de 834 mil casos e 16 mil mortes por covid-19 desde o começo da pandemia.

Há três meses, Portugal liderava em número de casos e mortes por covid-19 no bloco europeu.

Nas últimas duas semanas de janeiro, Portugal havia registrado a taxa de infecção por covid-19 mais alta da União Europeia: 1.429,43 por 100 mil habitantes, segundo os dados do Centro Europeu para a Prevenção e controle de Enfermidades. O país também tinha a taxa de mortalidade mais elevada da União Europeia: 247,55 por milhão de habitantes.

O médico brasileiro Marcelo Matos disse na época à BBC News Brasil que Portugal vivia um “tsunami” e era um “barril de pólvora”, devido a alta proporção de idosos e fumantes na população.

Agora esses números desabaram — a incidência da doença caiu de 1,4 mil para 67 para cada 100 mil habitantes — e o país vive um momento de otimismo e reabertura.

O presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Henrique Barros, disse nesta semana em uma conferência sobre a pandemia que “se tudo correr normalmente”, Portugal pode não ter mais casos de coronavírus a partir de setembro.

“Por setembro, se tudo correr normalmente, esperamos não ter casos”, disse ele, ressaltando que é preciso manter o atual plano de vacinação.

Na sexta-feira, terminará o longo estado de emergência no país, que foi decretado em novembro e durou 172 dias. E a partir de segunda-feira (03/05), Portugal entrará na última fase do que chama de “desconfinamento” — o fim gradual das fortes medidas de lockdown que foram impostas no começo do ano.

As medidas incluem:

Fronteiras fechadas, vacina e lockdown

Mas o que Portugal fez para reverter seu quadro em tão pouco tempo?

As principais medidas tomadas pelo país foram o investimento no programa de vacinação, a decretação de lockdowns severos ao longo do inverno europeu e o fechamento rigoroso de fronteiras — especialmente quando surgiam variantes novas do coronavírus em países como Reino Unido, Brasil e África do Sul.

Bar de Fado em Porto, 19 de abril de 2021 Reuters Bares de fado já reabriram em Portugal, mas clientes e até músicos devem usar máscaras em boa parte do tempo

Na parte da vacinação, Portugal vem sofrendo com os mesmos atrasos que a União Europeia — que entrou em um imbróglio legal com as farmacêuticas fornecedoras das vacinas.

Mesmo assim, o governo conseguiu vacinar todos os portugueses com mais de 80 anos, a faixa etária com maior letalidade por covid e em breve terá vacinado todos acima de 60 anos. Mais de 21% das pessoas em Portugal já recebeu a primeira dose da vacina — contra apenas 12% no Brasil.

O governo está confiante que no ritmo atual, será possível acelerar essa proporção. O secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, disse nesta semana que o país poderá alcançar a imunidade coletiva “no início e não no final do verão”.

O controle de fronteiras também foi outra medida importante. No auge da pandemia, Portugal reforçou o bloqueio ao coronavírus, proibindo todas as viagens não-essenciais ao exterior. As fronteiras foram fechadas com a Espanha e por meses houve poucos voos chegando da Lisboa até mesmo de outros países europeus. Voos para países como o Brasil chegaram a ser suspensos por completo e retomados apenas na semana passada.

Bar aberto em Porto Reuters Portugal enfrentou 172 dias de estado de emergência devido à covid-19

O país também adotou medidas duras de confinamento, que ajudaram a derrubar a taxa de contágio em fevereiro e março. A reabertura das escolas foi atrasada — de 5 de fevereiro para 15 de março.

O país também aumentou a contratação de médicos estrangeiros, com contratos de um ano, à medida que os hospitais registravam níveis recordes de mortes. A equipe médica do país foi fortemente afetada, com 23 mil profissionais contraindo covid-19 no meio da pandemia.

Você viu?

Europa em lockdown

A reabertura econômica de Portugal contrasta com a situação de outros países na Europa.

A Alemanha ainda registra cerca de 25 mil novos casos e 300 mortos por dia. Apesar de ter uma taxa de vacinação semelhante à de Portugal, a Alemanha não teve um fechamento de fronteiras e voos tão rigoroso quanto Portugal.

Hospital Tras Os Montes E Alto Douro, em Vila Real Reuters Portugal liderava no número de casos e mortes na Europa no final de janeiro

Além disso, há resistências fortes ao lockdown, com uma disputa política entre o governo federal e os Estados. Muitas medidas de lockdown estavam sendo definidas apenas pelos Estados. Mas nas últimas semanas, a chanceler Angela Merkel adotou uma política de “freio de emergência”, com medidas de confinamento decretadas pelo governo federal em regiões com mais de 100 infectados por cada 100,000 habitante. A medida está sendo contestada nos tribunais em 65 processos separados.

Diante da falta de progresso contra a pandemia, alguns acreditam que o lockdown na Alemanha precisará ser estendido em boa parte do país até junho.

A França segue um cronograma parecido, com lockdown ainda em vigor em boa parte do país — que tem registrado mais de 30 mil casos e 300 mortes por dia, em média.

Outro país europeu que, como Portugal, está em processo acelerado de reabertura econômica é o Reino Unido.

No caso britânico, o maior contraste em relação aos demais países da região está na vacinação: 49% dos britânicos já receberam a primeira dose da vacina, contra 22% na União Europeia. Toda a população idosa já teve acesso ao imunizante e agora pessoas com 42 anos estão recebendo suas doses.

Como Portugal, o Reino Unido enfrentou um rigoroso lockdown, que foi decretado pouco antes do Natal de 2020 e só começou a ser liberado no começo de março.

A reabertura das atividades econômicas no Reino Unido está num estágio bem mais avançado do que no continente europeu, com restaurantes, bares e lojas não-essenciais já em funcionamento.

No dia 17 de maio, é esperado que o governo libere visitas entre pessoas de diferentes casas (com, no máximo quatro visitantes) e reabertura dos cinemas na Inglaterra.

Variantes ainda preocupam

Em Portugal, as autoridades afirmam que a luta contra o coronavírus ainda não acabou e sugerem que a reabertura pode ser interrompida ou até revertida, caso haja ressurgimento da covid-19.

“Se necessário for, não hesitarei em decretar novo estado de emergência”, disse na terça-feira o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, ao anunciar que vai parar de renovar o estado de emergência — que já havia sido renovado em 15 ocasiões. Com isso Portugal passará a estar em estado de “calamidade”, o que ainda permite que o governo adote algumas medidas de restrição, caso sejam necessárias.

A variante britânica do vírus ainda preocupa, pois está crescendo entre os novos casos de covid-19.

“Há 15 dias nós estávamos com 83% dos casos de covid-19 causados pela variante do Reino Unido e agora estimamos estar já nos 89, 90% à data de ontem [segunda-feira]”, disse o coordenador do estudo sobre a diversidade genética do novo coronavírus em Portugal, João Paulo Gomes, segundo o jornal Diário de Notícias.

Ainda assim, o país se prepara para prepara para receber turistas britânicos e alemães durante os meses do verão europeu.

Até março, Portugal ainda estava na lista “vermelha” do governo britânico — de países com altas restrições de viagens para turistas do Reino Unido. Acredita-se que ao longo de maio, Portugal entre na lista “verde”, a com menos restrições.

As praias portuguesas estão entre as preferidas de turistas britânicos e alemães, que respondem por grande parte da renda do turismo no país.

Fonte: SAUDE.IG.COM.BR