Ondas de rádio misteriosas vindas do espaço fazem astrônomos estudarem ligação cósmica

Na última quarta-feira, 13, foi publicado pela revista científica Nature, um estudo sobre as rajadas de ondas de rádio de milissegundos de duração. O evento chocou os astrônomos, que se empenharam para decifrar as ondas, denominadas como FRP 121102, e concluíram uma ligação com explosões cósmicas no espaço.

Os cientistas, através do maior e mais sensível Radiotelescópio do mundo, chamado FAST, identificaram 1.652 rajadas de ondas entre o período de 29 de agosto a 29 de outubro de 2019, configurando as maiores ondas já catalogadas. Essas rajadas ou FRBs (em inglês) podem gerar a mesma energia que o Sol produz em 1 ano.

Com os resultados obtidos pelo FAST, as ondas FRB 121102 estavam emitindo sinais de rádio de cadências variadas. Foram registradas 122 emissões no horário de pico, sendo essa a maior da história. O astrofísico Bing Zhang, co-autor da pesquisa sobre a ligação entre as explosões cósmicas e as rajadas de onda de rádio, disse: “Esse grande conjunto de explosões ajudou nossa equipe a aprimorar como nunca a energia característica e a distribuição de energia das FRBs, o que joga nova luz sobre o motor que alimenta esse misterioso fenômeno”.

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1021620.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Os cientistas apontam que, a fonte dessas ondas possa vir de buracos negros ou possivelmente de estrelas magnetares, que são estrelas gigantes, que possuem o maior campo magnético do espaço sideral; e essas rajadas podem ter sido criadas em razão desses campos de magnetismo.

Em 2020, foi notado, pelos pesquisadores, que existe um padrão cíclico nessas rajadas de ondas, tendo em vista que essas ondas são emitidas durante 90 dias, cessam por 67 dias, e retornam novamente a cada 157 dias. O padrão foi uma descoberta para os estudiosos, considerando que até então somente era sabido que as ondas poderiam se repetir, mas não que existiriam padrões de rajadas.

Continue Lendo Comunicar Erro
(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://jsc.mgid.com/i/7/i7news.com.br.1014215.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

(function($){
var count_to_contab = false;

$(‘body, html’).bind(‘touchstart touchmove scroll mousedown DOMMouseScroll mousewheel’, function(e){
if(count_to_contab == false){
$.getScript(‘https://assets.revcontent.com/master/delivery.js’);
}

count_to_contab = true;
});
})(jQuery);

Fonte: I7NEWS.IG.COM.BR