MUNDO – Animais sacrificados com rara mutação da Covid-19 estão levantando das tumbas e levam pânico à população

No Brasil eles são pouco conhecidos, mas na Dinamarca possuem grande importância para a economia local.

Os visons, pequenos mamíferos que rendem muito dinheiro para a confecção de casacos de pele, estão sendo atingidos por um rara mutação do coronavírus causador da Covid-19, com potencialidade para a transmissão em seres humanos.

Com um surto do novo agente infeccioso atingindo esses pequenos animais, a vigilância sanitária da Dinamarca tomou uma atitude severa, ordenando que cerca de 15 milhões de visons fossem sacrificados diante do risco causado para a população.

O problema relacionado aos visons, entretanto, continua a atormentar os moradores da região. Isso porque estão sendo relatados inúmeros casos de corpos destes animais levantando das tumbas, sendo flagrados na superfície do solo mesmo após serem enterrados.

A notícia está levando pânico para a população, instigando muita gente sobre a origem do fenômeno.

Em Jutland, uma região na Dinamarca onde a criação de visons é muito forte, foram criadas trincheiras, semelhantes às da Primeira Guerra Mundial, onde os corpos dos animais foram amontoados e enterrados com cerca de dois metros de terra.

Moradores relatam que muitos dos pequenos mamíferos foram vistos se mexendo nas covas, chegando a erguer do solo.

Para uma emissora de TV local, o porta-voz da polícia dinamarquesa, Thomas Kristensen, tratou de desmistificar o assunto.

Segundo ele, os corpos estariam se mexendo por conta da liberação de muitos gases decorrentes da decomposição. “Algumas vezes, eles podem ser empurrados para fora do chão, mas não são zumbis“, ressaltou.

Os moradores pedem para as autoridades nacionais que os visons sejam cremados.

A Dinamarca é a maior produtora global de casacos com peles destes animais, e muitos criadores estão tendo prejuízos incalculáveis com o sacrifício em massa.

A mutação do coronavírus que os atinge desperta preocupação, uma vez que poderia ser imune às vacinas que estão sendo produzidas ao redor do planeta.

i7 News