Morre aos 88 anos, vítima da Covid-19 em Minas, ex-prefeito folclórico de Cerejeiras que marcou época na política, em RO

Onézio adotou peruca após ser empossado e fez gestão desastrada

Faleceu na manhã desta quinta-feira, 03, vítima da Covid-19, o prefeito Onézio Florêncio Chaves. Ele tinha 88 anos e estava internado na UTI de um hospital público em Belo Horizonte (MG).

A notícia sobre o falecimento de Onézio, que deixa 04 filhos e 04 netos, foi dada em primeira mão pelo site Gazeta Rondônia. Cerca de 03 anos atrás, já morando em Minas, chaves esteve na cidade que administrou entre 1993 e 1996 para rever os amigos.

POLÊMICO E NA MISÉRIA
Por coincidência, no mesmo dia em que o jornal FOLHA DO SUL era fundado oficialmente (1º de janeiro de 1993), tomava posse como prefeito de Cerejeiras o comerciante Onézio Florêncio Chaves. Velhinho bonachão e de hábitos simples, o mandatário adotou uma novidade pouco tempo depois de chegar ao poder: passou a usar peruca.

A evolução capilar, no entanto, não se refletiu na administração de Onézio, que fez um governo desastrado, considerado, ainda hoje, o pior da história de Cerejeiras.

Em 1997, um ano após entregar o cargo e respondendo a processos na justiça, o ex-careca resolveu fugir sozinho. Viveu com dificuldades numa cidade da região metropolitana de Belo Horizonte.

Através de depoimento do filho de Onézio, que trabalhava como pintor em Cerejeiras, o correspondente da FOLHA na cidade vizinha, Rildo Costa, descobriu o paradeiro dele e soube como era a vida do mais folclórico dos prefeitos que o Cone Sul já teve: Chaves chegou a ganhar a vida como pedreiro na região metropolitana da capital mineira.

Fonte: Folha do Sul
Autor: Da redação