Raízes da Antifa: uma ideia com consequências violentas

Ouça este conteúdo

Enquanto motins e saques consumiam a Filadélfia nesta semana, após um a polícia matar um homem negro, um grupo de esquerda radical, os Socialistas de Filadélfia, começou a monitorar scanners da polícia e transmitir informações para ajudar os manifestantes a escapar da detenção.

Essa é sua matéria grátis do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R$ 0,99 no 1º mês

A certa altura, os Socialistas da Filadélfia tuitaram: “Faça um favor à humanidade e aprenda o que significa Antifa”.

O que aconteceu na Filadélfia foi semelhante a dezenas de protestos violentos em todo o país desde maio, que muitas vezes apresentaram um elemento comum e sombrio — homens e mulheres com máscaras negras que pareciam tão decididos a quebrar janelas e confrontar a polícia quanto a gritar slogans de justiça social.

A única coisa em que a maioria das pessoas concorda é que eles têm um nome: Antifa, abreviatura de antifascistas. Entretanto, questões maiores 1 quem são eles? De onde eles vieram? O que eles querem? — se perderam na batalha da política partidária.

O presidente Donald Trump denunciou a Antifa como um grupo terrorista organizado, como a Ku Klux Klan. No primeiro debate presidencial, Joe Biden discordou, parafraseando o próprio diretor do FBI de Trump, Christopher Wray, dizendo que “ao contrário dos supremacistas brancos, a Antifa é uma ideia, não uma organização, não uma milícia.”

Embora Wray tenha testemunhado a esse respeito perante um painel da Câmara em setembro, ele também disse que a Antifa era uma ameaça real e que o FBI havia empreendido “um sem número de investigações devidamente fundamentadas sobre o que descreveríamos como extremistas anarquistas violentos”.

Um advogado do Departamento de Justiça dos EUA disse ao Congresso em agosto que o FBI havia aberto mais de 300 investigações de terrorismo doméstico relacionadas aos distúrbios em andamento.

Antifa é, de fato, difícil de definir. Não tem líderes conhecidos, nenhum endereço, nem mesmo uma conta no Twitter. Vários grupos envolvidos em violência nas ruas adotam o rótulo Antifa. Esses grupos, por sua vez, são altamente secretos e mal organizados.

Stanislav Vysotsky, ex-ativista da Antifa e autor de “American Antifa: The Tactics, Culture, and Practice of Militant Antifascism” (2020), admite que “para a maioria das pessoas Antifa é um mistério envolto em um enigma usando uma máscara preta.”

Essa indefinição, que parece ser intencional, torna difícil definir ou mesmo identificar os membros de um movimento que, no entanto, teve um impacto desproporcional na sociedade americana.

Ainda assim, é possível enxergar através da máscara negra. A pesquisa acadêmica e o jornalismo diário lançam luz sobre a ideologia da Antifa e sua longa história nos Estados Unidos. Sua mistura de política de esquerda e niilismo anarquista pode ser rastreada para mais de 100 anos atrás.

Sua encarnação moderna, centrada no noroeste dos EUA, vem dos radicais dos anos 1960, incluindo ex-membros do Weather Underground, punks de skate antirracistas que surgiram na década de 1980 e radicais mais jovens.

Sua composição racial e étnica é incerta, mas um número significativo é de brancos. Registros de prisão e outras informações disponíveis publicamente sugerem que muitos daqueles que se identificam como Antifa são trabalhadores itinerantes ou marginalizados.

Os estudiosos concordam com Vysotsky que “o antifascismo é simultaneamente um fenômeno político complexo e simples”. É simples porque é um movimento de oposição — é definido por sua resistência ao “fascismo”.

Ao contrário dos esquerdistas, seus adeptos não buscam chegar ao poder para construir uma utopia. Eles são céticos em relação ao poder do Estado, daí seus frequentes confrontos com a polícia, e estão mais empenhados em confrontar aqueles que consideram inimigos.

Mas o antifascismo também é complexo porque o próprio fascismo “costuma ser um conceito extremamente obscuro”, escreve Mark Bray, professor de história na Rutgers, autointitulado organizador político e autor do “The Antifa Handbook”.

Para esclarecer o que é o fascismo, os simpatizantes da Antifa tentam conectar o movimento americano a uma série de obscuros grupos de esquerda do século 20 que resistiram a Hitler, Mussolini e o general Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola dos anos 1930. O slogan esquerdista dessa guerra, “No pasarán” (“Não passarão”), é frequentemente invocado pelos seguidores americanos.

Em geral, os partidários da Antifa não se incomodam com associações com totalitários de esquerda. Bray observa que um grupo de autodefesa simpatizante da Antifa, chamado Maoist Red Guards, ainda está ativo em Austin.

Ao mesmo tempo, os ativistas da Antifa são intensamente hostis às tradições históricas americanas.

Em Portland, manifestantes recentemente quebraram janelas da Sociedade Histórica de Oregon, roubando e danificando uma colcha feita por mulheres negras para comemorar o bicentenário da América. Naquela mesma noite, manifestantes derrubaram estátuas de Abraham Lincoln e Theodore Roosevelt que estavam em Portland havia mais de um século.

Embora os adeptos da Antifa americana rejeitem explicitamente a Primeira Emenda e outras ideias classicamente liberais sobre liberdade de expressão e reunião, eles veem como seus ancestrais espirituais os abolicionistas da escravidão do século 19 e outros que lutaram contra a escravidão e, posteriormente, o racismo.

Bray escreve que John Brown, o homem branco que tentou desencadear uma revolta de escravos atacando um arsenal federal em Harper’s Ferry, Virginia, em 1859, é um herói desses grupos.

Mais recentemente, a Antifa na América tirou o poder das subculturas punk rock e do extremismo de esquerda pós-1960. Depois que os supremacistas brancos recrutaram jovens insatisfeitos como “skinheads” e bandas racistas de streetpunk começaram a aparecer, contra-movimentos se formaram em resposta.

Em particular, em 1987 um grupo de punk rockers conhecido como Minnesota Baldies formou a Rede de Ação Antirracista para se envolver em confrontos de “ação direta” usando tinta spray, pés de cabra e tijolos contra racistas na cena punk.

Notícias sobre o grupo e suas façanhas, que às vezes envolviam escaramuças violentas com racistas, se espalharam por meio de publicações punk underground conhecidas como “zines” e a organização se espalhou por todo o país.

As simpatias anarquistas e de extrema esquerda da Anti-Racist Action Network tornaram-se mais evidentes em 2013, quando foi reformada como Torch Network, às vezes conhecida mais explicitamente como Torch Antifa Network. A Torch Network hoje é a coisa mais próxima de uma organização Antifa.

De acordo com o site da Torch, os grupos afiliados são “órgãos organizadores autônomos … eles podem se chamar do que quiserem e podem se organizar da melhor maneira que acharem melhor.” Os grupos que se inscrevem no Torch concordam, no entanto, em apoiar os cinco “Pontos de Unidade” da organização:

  • Nós combatemos organizações e atividades fascistas e de extrema direita.
  • Não confiamos na polícia ou nos tribunais para fazer nosso trabalho por nós. Isso não significa que nunca iremos a tribunal, mas os policiais defendem a supremacia branca e o status quo. Eles nos atacam e a todos que resistem à opressão. Devemos confiar em nós mesmos para nos proteger e deter os fascistas.
  • Nós nos opomos a todas as formas de opressão e exploração. Pretendemos fazer o trabalho árduo necessário para construir um movimento amplo e forte de oprimidos centrado na classe trabalhadora contra o racismo, sexismo, nativismo, anti-semitismo, islamofobia, homofobia, transfobia e discriminação contra os deficientes, os mais velhos, os os mais jovens e os mais oprimidos. Apoiamos o direito ao aborto e a liberdade reprodutiva. Queremos uma sociedade livre e sem classes. Temos a intenção de vencer!
  • Nós nos responsabilizamos pessoal e coletivamente por viver de acordo com nossos ideais e valores.
  • Não apenas apoiamos uns aos outros dentro da rede, mas também apoiamos pessoas fora da rede que acreditamos terem objetivos ou princípios semelhantes. Um ataque a um é um ataque a todos.
  • Laços com o Terror

    Além do que é postado no site da Torch Network, não se sabe muito sobre a organização e que material de apoio, se houver, ela fornece aos afiliados.

    Algumas informações vieram do depoimento escrito fornecido ao Comitê Judiciário do Senado em agosto por Kyle Shideler, diretor e analista sênior de segurança interna e contraterrorismo do Centro de Política de Segurança.

    Shideler descreveu a Torch Antifa como “uma das maiores redes regionais da Antifa nos Estados Unidos” e identificou um homem chamado Michael Novick, “responsável pelo site Torch Antifa”, como uma figura chave no movimento.

    Novick “estabelece a relação histórica entre a guerrilha comunista e os movimentos terroristas dos anos 1970 e a Antifa de hoje”, relatou Shideler. “Novick é ex-membro do grupo terrorista Weather Underground. Ele é membro fundador do Comitê Anti-Klan John Brown e membro fundador da Ação Antirracista de Los Angeles. ”

    O endereço comercial associado à organização nacional Anti-Racist Action é a casa de Novick em Los Angeles. As tentativas de contatá-lo para comentar este artigo não foram bem-sucedidas.

    Ele parece ter mantido contato com seus ex-associados terroristas domésticos de alguma forma — ele falou em uma conferência de Ação Antirracista em 2011 ao lado dos membros mais notórios do Weather Underground, Bill Ayers e Bernardine Dohrn, parceiros controversos do ex-presidente Barack Obama em sua ascensão política em Chicago.

    A afiliação de Novick com o Comitê John Brown AntiKlan, fundado por membros do Weather Underground em 1978 e ativo na década de 1990, também é notável por causa dos laços dessa organização com a violência.

    Embora o grupo John Brown tenha confrontado grupos Klan e trabalhado por várias causas antirracistas, ele também lutou por um espectro muito mais amplo de causas radicais que vão desde a independência de Porto Rico até a defesa de governos de esquerda na América Central no auge da Guerra Fria.

    Três membros do grupo John Brown foram condenados por seus papéis em uma série de atentados em Washington e Nova York entre 1982 e 1985 — incluindo uma explosão no prédio do Capitólio dos EUA em 1983, junto com explosões em três instalações militares na área de DC, e mais quatro atentados a bomba na cidade de Nova York.

    Dois dos três cumpriram longas penas de prisão, mas em seu último dia no cargo, o presidente Bill Clinton comutou a sentença de 40 anos da terceira integrante, Linda Evans, após 13 anos. Evans também esteve envolvida com o Weather Underground e com o grupo John Brown.

    Essas conexões cruzadas entre grupos parecem ser características de grupos da época e da organização descentralizada da Antifa hoje. No livro “Grupos Extremistas na América”, publicado em 1990, a autora Susan Lang relatou que o grupo John Brown “é considerado uma fachada para a Organização Comunista 19 de maio”.

    Essa organização, cujo nome vem do aniversário compartilhado de Ho Chi Minh e Malcolm X, também tinha fortes laços com o Weather Underground e estava ligada aos atentados.

    Sua figura mais notável hoje é Susan Rosenberg, 65, que foi para a prisão por porte de armas e explosivos e por seu papel em ajudar Assata Shakur (ex-JoAnne Chesimard) a fugir para Cuba após sua condenação como cúmplice do assassinato de um soldado do estado de Nova Jersey. A sentença de 58 anos de Rosenberg também foi comutada por Clinton.

    Rosenberg hoje tem uma ligação proeminente com a Black Lives Matter, não com a Antifa. Ela é vice-presidente da Thousand Island Currents, patrocinadora fiscal da Fundação Black Lives Matter Global Network, que recebeu milhões em doações corporativas após a morte de George Floyd pela polícia de Minneapolis.

    A própria Fundação Black Lives Matter Global Network foi fundada por autodenominados “marxistas treinados” que estabeleceram um relacionamento com o governo radical de esquerda da Venezuela.

    Atores estrangeiros podem desempenhar um papel que possibilite a violência doméstica da Antifa, diz Shideler. “Em 2019, Novick viajou a Cuba como parte da 50ª Brigada Venceremos, mostrando a continuidade substancial desses movimentos”, observa ele em seu depoimento no Senado.

    Rosenberg também participou das Brigadas Cubanas Venceremos, fundadas por radicais de esquerda em 1969 para estabelecer laços com Cuba comunista. Muitas vezes serviu como um programa de recrutamento para a inteligência cubana e fomentou o radicalismo nos EUA.

    Anarquia nos EUA

    Embora a Antifa possa ser colocada na tradição da violência extremista de esquerda, também é influenciada por movimentos políticos anárquicos. As imagens da Antifa são vermelhas e pretas — o vermelho representa as simpatias comunistas e sindicalistas, enquanto o preto simboliza um compromisso com a anarquia.

    Em termos gerais, os anarquistas buscam dissolver governos e abolir todo uso de conformidade forçada, reorganizando a sociedade de acordo com os princípios de cooperação mútua.

    A anarquia também ajuda a explicar por que a Antifa é tão prevalente em Portland e no noroeste em geral. A área tem fortes laços históricos com anarquistas.

    Uma comunidade anarquista no estado de Washington, por volta da virada do século 20, brevemente ganhou fama depois que o presidente William McKinley foi assassinado por um anarquista. Mais recentemente, a filosofia anarquista foi fundamental para o movimento eco-terrorista, que está ativo no Oregon desde os anos 1970.

    De acordo com o professor de história da Portland State University Marc Rodriguez, a Antifa contemporânea surgiu dos distúrbios de 1999 na reunião da Organização Mundial do Comércio em Seattle, quando um subconjunto de manifestantes com máscaras negras se infiltrou nos protestos para tocar o terror.

    Embora o rótulo Antifa não fosse amplamente utilizado — o primeiro grupo americano que se autodenominava Antifa surgiria em Boston em 2002 — a influência anarquista era bem compreendida na época.

    Não há dúvida de que durante várias décadas a “cena” anarquista no noroeste foi um terreno fértil para o radicalismo de esquerda, e isso ajuda a explicar por que Portland e Seattle são o locus de tanta atividade da Antifa.

    Os grupos da Antifa tomam as principais decisões táticas por voto democrático, enquanto toleram as decisões individuais de se envolver em ações presumivelmente consistentes com o ethos do grupo. “As práticas militantes antifascistas … são frequentemente espontâneas, descentralizadas e diretamente democráticas”, observa Vysotsky.

    Também há muita sobreposição entre o anarquismo e as ideologias comunistas.

    “Na maior parte do tempo, você está olhando para uma ideologia de autonomismo, que é uma organização marxista de baixo para cima em vez de uma organização de vanguarda leninista de cima para baixo. Essa foi uma ideologia que saiu da Itália e da Alemanha no final dos anos 60, início dos anos 70 ”, diz Shideler.

    “Teve influência nas Brigadas Vermelhas e no Grupo Baader-Meinhof, e você ainda vê isso na linguagem deles. Quando falam sobre ação autônoma ou criação de uma zona autônoma, é a isso que se referem. ”

    Um exemplo dramático dessa abordagem ficou evidente neste verão, quando os manifestantes estabeleceram uma zona autônoma no centro de Seattle depois que o prefeito forçou a polícia a abandonar uma delegacia. A zona sem lei rapidamente se tornou um centro de violência e dois homens afro-americanos foram mortos dentro de seus limites.

    A falta de hierarquia formal dentro dos grupos de afinidade da Antifa e seu modelo de “resistência sem líder” podem ter origens ideológicas marxistas e anárquicas, mas essa mesma estrutura de células fantasmas a torna semelhante à forma como grupos terroristas mais comumente entendidos como a Al-Qaeda normalmente operam.

    Nos protestos, os partidários da Antifa carregam armas e coordenam suas ações no terreno para escapar da aplicação da lei e causar o máximo de danos.

    “Eles se comunicam em grandes salas de chat do Signal, um aplicativo ponto a ponto criptografado”, disse Andy Ngo, jornalista de Portland que cobre a Antifa há vários anos. “Eles também usam sinais manuais, têm dispositivos walkie-talkie e batedores que observam onde a polícia está e fornecem atualizações em tempo real.”

    A Antifa compartilha aberta e amplamente inteligência estratégica e tática. Depois que uma delegacia de Minneapolis foi invadida pelos distúrbios no início deste ano, o site CrimethInc, amigável à Antifa, publicou um relatório detalhado após a ação, onde anônimos “participantes do levante em Minneapolis em resposta ao assassinato de George Floyd exploram como uma combinação de diferentes táticas obrigaram a polícia a abandonar a Terceira Delegacia. ”

    Os grupos Antifa podem operar e tomar decisões de acordo com princípios incomuns, mas são organizados e podem se coordenar com bastante eficácia.

    Redefinindo o fascismo

    A definição excessivamente ampla de fascismo da Antifa (em Portland inclui o Partido Republicano), combinada com a ideologia de esquerda e anarquista que considera ilegítima a aplicação da lei básica, serve para justificar algumas crenças especialmente radicais. Por um lado, os adeptos da Antifa acreditam que seus oponentes não têm direito a falar ou se reunir e devem ser confrontados onde quer que apareçam.

    “The Antifa Handbook” tem um capítulo inteiro oferecendo uma série de defesas para oponentes Antifa “sem plataformas”.

    “O antifascismo militante se recusa a se envolver em termos de debate que se desenvolveu a partir dos preceitos do liberalismo clássico que sustentam as posições‘ liberais ’e‘ conservadoras ’nos Estados Unidos”, escreve Bray.

    “Em vez de privilegiar direitos universais supostamente ‘neutros ’, os antifascistas priorizam o projeto político de destruir o fascismo e proteger os vulneráveis, independentemente de suas ações serem consideradas violações da liberdade de expressão dos fascistas ou não.”

    Outras razões para rejeitar a liberdade de expressão repousam em abraçar a anarquia: “A falsa suposição de que os Estados Unidos maximizam a liberdade de expressão repousa no fato não declarado de que esse direito se aplica apenas a cidadãos não encarcerados”, acrescenta. “Em contraste, os anti-autoritários procuram abolir as prisões, os estados e a própria noção de cidadania — eliminando, assim, esse buraco negro da falta de direitos.”

    Bray justifica essa posição argumentando que a ampla negação dos direitos de liberdade de expressão é necessária para prevenir o surgimento de Hitlers modernos.

    “No cerne da perspectiva antifascista está uma rejeição da frase liberal clássica incorretamente atribuída a Voltaire de que ‘Desaprovo o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dizê-lo’”, escreve ele. “Depois de Auschwitz e Treblinka, os antifascistas se comprometeram a lutar até a morte contra a capacidade dos nazistas organizados de dizerem qualquer coisa.”

    Como resultado dessa suposta vigilância, Bray observa, a Ação Antirracista e a Antifa foram “vítimas de seu próprio sucesso”, pois nos últimos 20 anos houve um declínio acentuado em organizações de supremacia branca outrora importantes e influentes.

    Ele até cita um membro da Antifa de Nova Jersey, dizendo: “Em certo ponto, o maior grupo era o Movimento Nacional Socialista, com apenas 80 caras fazendo encenações”.

    Se o número de fascistas reais está diminuindo, por que a violência na Antifa explodiu este ano? Uma resposta é que a Antifa retrata a presidência de Trump como uma ameaça. “No Trump — No KKK — No Fascist USA!” tornou-se “o cântico anti-Trump mais popular” nos protestos, escreve Bray.

    Mais problemático é o modo como esse sentimento anti-Trump resultou em ataques contra eleitores comuns e organizações políticas locais.

    Em 2017, o prefeito de Portland Ted Wheeler cancelou um desfile anual na cidade depois que “antifascistas” ameaçaram de violência porque o Partido Republicano do condado de Multnomah estava marchando no desfile.

    “Você viu quanto poder temos no centro da cidade e que a polícia não pode nos impedir de fechar estradas, então, considere sua decisão com sabedoria”, dizia a ameaça enviada à cidade.

    O objetivo maior da Antifa é o fim da política negociada. A dissidência política é recebida com intimidação e punição.

    “Nossa meta deve ser que em vinte anos aqueles que votaram em Trump fiquem desconfortáveis demais para compartilhar esse fato em público”, escreve Bray. “Podemos nem sempre ser capazes de mudar as crenças de alguém, mas com certeza podemos tornar politicamente, socialmente, economicamente e às vezes fisicamente caro articulá-las”.

    Violência justificada

    Membros da Antifa fetichizam e celebram sua violência.

    “Um dos aspectos mais chocantes da cultura militante antifascista para observadores fora do movimento é o consumo e o comércio de imagens violentas”, observa Vysotsky. “Imagens de espancamento ou sangramento, além de memes que exaltam a virtude da violência antifascista ou simulam fascistas feridos, são um elemento comum da cultura antifa.” Essas fotos são conhecidas como “riot porn” (algo como “fetichização da violência”).

    Além da violência real, as ameaças são outra parte importante da caixa de ferramentas da Antifa. O grupo é um proponente de “doxxing” – gíria da Internet para expor o nome e/ou informações pessoais de alguém a fim de envergonhá-lo e intimidá-lo.

    Os resultados de tal vigilantismo são previsíveis.

    Depois que ativistas de esquerda em Portland solicitaram os nomes de empresas “não amigáveis” que não apoiavam o movimento Black Lives Matter na internet, uma conta do Twitter afiliada à Antifa alegou que o Heroes American Café em Portland, que tem decoração e fotos com bandeira americana de vários heróis americanos na parede, apoiou a polícia local.

    O proprietário do Heroes Café, um veterano afro-americano, logo recebeu um telefonema ameaçador. Poucos dias depois, suas janelas foram quebradas e balas foram disparadas contra seu restaurante durante um protesto anunciado como um “Dia de Fúria”.

    De formas mais amplas, a adoção da violência pela Antifa torna os adeptos notavelmente semelhantes aos extremistas racistas violentos e aos grupos de extrema-direita contra os quais alegam se opor.

    Ambos os grupos usam justificativas para a violência que exageram amplamente uma ameaça interna na sociedade em geral. Ambos contam com políticas identitárias tribais para impor uma pureza de ideologia que é incompatível com a ordem cultural e política existente que eles esperam derrubar.

    As crenças da Antifa em relação à violência parecem atender perfeitamente à definição de terrorismo doméstico na lei federal, definida como atividades realizadas “para intimidar ou coagir uma população civil; influenciar a política de um governo por meio de intimidação ou coerção; ou para afetar a conduta de um governo por destruição em massa, assassinato ou sequestro. ”

    Minimizando a ameaça

    Observadores solidários aos objetivos de justiça social expressam preocupação com o fato de a violência da Antifa ser contraproducente.

    “Eu acho que [Antifa] também precisa entender o quão difícil eles podem estar tornando a situação para a promoção de Black Lives Matter neste momento em que os negros estão realmente tentando fazer algum progresso”, disse a socióloga da Portland State University e professora de estudos negros Shirley Jackson a uma estação de televisão local no mês passado.

    A opinião pública parece reforçar as preocupações de Jackson de que a violência nos protestos está impedindo os objetivos maiores da justiça racial. No mês passado, o Instituto de Pesquisas Pew relatou que o apoio ao Black Lives Matter caiu significativamente desde junho, e as “descobertas vêm à medida que os confrontos entre os manifestantes e a polícia aumentaram.”

    Apesar disso, a liderança política muitas vezes tem medo ou não está disposta a reprimir a Antifa. Os principais departamentos de polícia de todo o país foram prejudicados e pediram que se retirassem diante dos protestos violentos em curso. A Antifa pode considerar o prefeito de Portland Ted Wheeler um tirano, mas a cidade retirou 90% das acusações contra os manifestantes em setembro.

    Apesar da cidade tolerar motins violentos, Wheeler concorreu à reeleição venceu a desafiante Sarah Iannarone, que declarou publicamente: “Eu sou a Antifa”, por pouco: 46% a 41%.

    Em 2016, quando Iannarone concorreu anteriormente à prefeitura, ela tuitou uma foto de uma cédula de um constituinte que havia votado nela, mas havia escrito em outro lugar em Josef Stalin, Vladimir Lenin, Mao Zedong, Che Guevara, Ho Chi Minh, Angela Davis, e outros marxistas violentos. Iannarone observou que a cédula foi: “Muito possivelmente minha foto favorita.”

    Longe de criar pressão para realizar reformas políticas específicas relacionadas à injustiça racial ou violência policial, a Antifa parece estar usando esse momento para pressionar ainda mais sua agenda política radical no cenário nacional.

    Um grupo chamado Shutdown DC tem distribuído um guia de 38 páginas chamado “Stopping the Coup” (“Parando o Golpe”, em tradução livre), que oferece orientações específicas sobre como perturbar a eleição nacional em novembro, caso seja contestada, a fim de parar Trump, “que é energizado pelo forças da supremacia branca e capitalismo brutal. ”

    O documento “Stopping the Coup” repudia a violência, mas o Shutdown DC não se esquivou de trabalhar em estreita colaboração com grupos afins como All Out DC, um “coletivo de ativistas antifascistas de DC” que querem “incendiar o sistema escravagista americano” ao organizar o maior protesto na capital do país.

    Nesse ínterim, duas simulações eleitorais de alto nível feitas por grupos políticos tradicionais — o Transition Integrity Project à esquerda e a Texas Public Policy Foundation em conjunto com o Claremont Institute à direita — encontraram uma alta probabilidade de violência da Antifa após a eleição de novembro .

    Independentemente de a Antifa ser descrita com mais precisão como uma ideologia ampla ou um movimento unificado, a ameaça que ela representa para atrapalhar as eleições democráticas e descumprir a lei e a ordem é bem real.

    Veja Também:

    • Antifas não lutam por democracia
    • A longa história de violência dos antifas
    ©2020 Daily Signal. Publicada com permissão. Original em inglês

    Você conhece mesmo o impacto do jornalismo?

    A informação em que você pode confiar é a mesma que contribui para uma sociedade melhor.

    Apoie a Gazeta Sua assinatura pode ser ainda melhor

    Escolhendo o plano Premium, você navega sem propaganda e ganha mais um login para compartilhar com quem quiser.

    Experimente A informação importa

    Esta é uma das dezenas de reportagens, análises, orientações e outros conteúdos que a Gazeta do Povo publica diariamente sobre a crise provocada pelo coronavírus. Encaramos de frente o desafio de informar com seriedade e transparência em um dos momentos mais difíceis da História. Este trabalho só é possível graças ao apoio de nossos assinantes, que têm acesso ilimitado a nosso site. Entre para nossa comunidade de assinantes e apoie o jornalismo profissional no momento em que a busca pela verdade pode salvar vidas.

    QUERO ASSINAR Deixe sua opiniãoEncontrou algo errado na matéria?comunique erros Sobre a Gazeta do Povox Sobre a Gazeta do Povo

    Fonte: www.gazetadopovo.com.br/ideias/raizes-da-antifa-uma-ideia-com-consequencias-violentas