Luiza Brunet relembra agressão de ex-companheiro: ‘Aquele soco ainda dói’

Reprodução/Instagram Luiza Brunet relembra agressão de Lírio Parisotto

Luiza Brunet relembrou a agressão que sofreu do ex-companheiro , o empresário Lírio Parisotto, em 2016. A atriz contou como foi difícil lidar com os ataques e os julgamentos após denunciar o caso e disse ainda sofre com sequelas emocionais que a violência sofrida deixou.

Lírio Parisotto foi condenado a prestar serviços comunitários e Luiza Brunet falou que o julgamento não foi um processo nada fácil. “Até se chegar a uma decisão dessas, o processo é muito cruel. Tem o sofrimento físico e psicológico e a vítima é submetida a um julgamento moral, que eu chamo de imoral. Embora eu seja uma pessoa pública e nunca tenha me envolvido em escândalos, não escapei de ser exposta e desacreditada. Fui acusada pelo meu ex-companheiro de cinco anos e por gente ligada a ele”, ela disse em entrevista à revista Veja.

Leia também

“Hoje, a sensação é de um grande alívio pela verdade ter vindo à luz. Esse é um tipo de ferida, porém, que deixa marcas para o resto da vida. Aquele soco ainda dói”, a atriz continuou. Brunet relembrou que no dia da agressão, o empresário estava revoltado porque confundiram o nome dele com o do ex da artista.

“Ao chegar totalmente alterado ao apartamento, começou a dar tapas e socos na minha cara e a chutar minhas pernas. Num só golpe, ele me jogou no sofá e pressionou meu corpo com tanta força que quebrei quatro costelas. Tive muito medo de morrer”, ela se recorda. A modelo também pontuou que, como acontece em muitos casos de violência doméstica, essa não foi a primeira vez em que ela foi agredida. Luia Brunet disse que o fato das vítimas amarem os agressores complicam muito esses casos. Ela comentou que hoje em dia não sente mais nada pelo empresário e a última vez que teve contato com ele foi no julgamento. Por fim, declarou que olhando para trás só sente decepção.

Fonte: delas.ig.com.br/comportamento/2020-12-04/luiza-brunet-relembra-agressao-de-ex-companheiro-aquele-soco-ainda-doi.html