Lutando pela vida em hospital de São Paulo, deputado rondoniense é acusado de grilagem e de cogitar matar procurador

Folha de São Paulo publicou diálogo entre Jean Oliveira e pecuarista

Lutando pela vida após se diagnosticado com a Covid-19, o deputado rondoniense Jean de Oliveira começa a reagir ao tratamento que recebe no hospital Albert Einstein, em São Paulo, para onde foi transferido por UTI aérea, em estado grave, esta semana. Além do Coronavírus, o parlamentar tem uma bactéria atacando seus pulmões.

E, justamente neste momento delicado, Jean enfrenta uma acusação gravíssima, noticiada em manchete pelo jornal Folha de São Paulo: investigado pelo Ministério Público, ele teria cogitado assassinar um procurador do Estado. Conversas publicadas pelo diário paulista revelam uma conversa entre Jean e um pecuarista que também estaria envolvido num esquema milionário de grilagem de terras. LEIA NA ÍNTEGRA:

O presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Jean Oliveira (MDB), faz parte de uma quadrilha que tentou grilar 64,6 mil hectares dentro de uma unidade de conservação estadual, segundo investigação da Polícia Federal e do Ministério Público do Estado de Rondônia, revelada pelo jornal Folha de S.Paulo.

O objetivo era usar a área para gerar créditos de desmatamento, que seriam vendidos para proprietários rurais do Estado que fazem desflorestamento ilegal sem suas terras e precisam regularizar. Do tamanho do município de Belo Horizonte, a área grilada está localizada na Reserva Extrativista Rio Pacaás Novos, em Guajará-Mirim, a 330 km de Porto Velho.

Segundo a PF, o esquema chegava a fazer anúncios no site de vendas OLX. A PF encontrou um em que 34,6 mil hectares eram oferecidos por R$ 51,9 milhões como “área de compensação de reserva legal”.

O relatório da PF revela ainda que o grupo cogitou matar o procurador do Estado Matheus Carvalho Dantas, responsável por emitir pareceres ambientais no âmbito na Procuradoria-Geral do Estado, por ter se recusado a avalizar a grilagem.

Em conversas gravadas pela investigação, o pecuarista Alexsandro Aparecido Zarelli, apontado pela PF como o líder da quadrilha, sugere matar Dantas.“Passar fogo?”, pergunta o deputado. “Mandar o Mateus pro inferno”, afirma Zarelli. “Vamos atacar ele, ué. Por que cê não falou?”, diz Oliveira.

A assessoria do deputado respondeu ao jornal que o parlamentar “tem a consciência tranquila, porque seus atos sempre foram pautados pela legalidade”.

OPERAÇÃO FELDBERG
Em dezembro de 2019, a PF deflagrou a Operação Feldberg, com mandado de busca e apreensão contra Jean Oliveira. Ele não foi preso por causa do foro especial e continua presidindo a Comissão de Meio Ambiente da Assembleia.

Recentemente, Oliveira ganhou mais uma função: foi indicado titular da vaga da Assembleia no Fórum Estadual de Mudanças Climáticas.

Para o Ministério Público, há “fortes indícios de corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, lavagem de dinheiro, falsificação de documento público e organização criminosa, entre outros [crimes]”.

Zarelli está em prisão domiciliar, segundo o Ministério Público. Os inquéritos policiais estão a cargo da PF

O deputado é filho do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia Carlão de Oliveira, foragido da Justiça após ser condenado por desvio de recursos — resultado da Operação Dominó, deflagrada pela PF em 2006.

Fonte: www.folhadosulonline.com.br/