ANTIDEMOCRÁTICOS: Justiça nega indenização a bolsonarista em foto no quartel em RO

ANTIDEMOCRÁTICOS: Justiça nega indenização a bolsonarista em foto no quartel em RO   Rondoniaovivo.com

William Homem do Tempo

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), por meio do juiz Wanderley José Cardoso, do 1º Juizado Especial Cível, julgou improcedente o pedido inicial de Moisés Gutierres de Souza contra a CMP Comunicação e Assessoria LTDA – ME, que é a empresa formal que representa o jornal eletrônico Rondoniaovivo.

 

O caso envolvia alegação de dano à honra e à imagem do suposto ofendido, que alegou a publicação em uma na matéria jornalística do Rondoniaovivo.

A defesa do jornal eletrônico coube ao Escritório Loura Junior & Ferreira Neto Advogados, por meio do advogado Juacy dos Santos Loura Júnior.

 

Na ação, o autor Moises Gutierres de Souza afirmou que se sentiu constrangido pela publicação de sua imagem em uma matéria que retratava manifestantes em frente à antiga 17ª Brigada de Infantaria de Selva (17ª BIS) como “antidemocráticos, golpistas e bagunceiros”.

 

 

De acordo com o autor, a exposição prejudicou sua reputação perante a opinião pública, o que resultou em um pedido de indenização por danos morais no valor de 20 mil reais.

 

Por outro lado, a CMP Comunicação e Assessoria LTDA – ME argumentou que estava exercendo seu dever constitucional de informar e que a matéria veiculada era uma retratação dos eventos ocorridos na ocasião.

 

A empresa processada afirmou que não utilizou a imagem do autor de forma indevida, mas para o propósito de noticiar um fato público e relevante para a sociedade, sem intenção de causar danos à sua imagem.

 

Em sua decisão, o juiz Wanderley José Cardoso destacou que a garantia da liberdade de expressão e os direitos da comunicação social, consagrados nos artigos 220 e seguintes da Constituição Federal, permitem que a imprensa leve informações à coletividade sobre acontecimentos e ideias de interesse geral.

 

A decisão também ressaltou que a matéria veiculada pelo Rondoniaovivo possuía caráter social e informativo sobre fatos relevantes, sem qualquer intenção de causar situações vexatórias.

 

 

Por fim, o magistrado concluiu que não houve violação dos direitos constitucionais da personalidade do requerente e que a ação de reparação por danos morais era improcedente.

 

Seguindo os princípios da verdade processual e do livre convencimento na análise da prova, o juiz Wanderley José Cardoso extinguiu o processo com resolução do mérito, isentando a CMP Comunicação e Assessoria LTDA – ME da responsabilidade civil reclamada.

 

“O papel da imprensa é preponderante para ser o instrumento democrático de informação, nesse sentido não temos dúvida de que o portal Rondoniaovivo vem cumprindo com seu mister e em especial o que definido no artigo 220 da Constituição Federal.

Foi feito justiça no caso, pois o jornal em nada contribuiu para o alegado dano moral”, observou Juacy dos Santos Loura Júnior, que defendeu o jornal eletrônico na ação judicial.

 

A sentença foi publicada no Diário Oficial da Justiça desta quinta-feira (13) e ainda cabe recurso por parte da acusação.

Sugestão de Pauta Direito ao esquecimento Reportar Erro

Aos leitores, ler com atenção

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário.

Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

O Rondoniaovivo quer saber, você costumar assistir TV e usar o celular ao mesmo tempo?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

Fonte: RONDONIAOVIVO.COM