Luxo e exclusividade: o que caracteriza um hotel como 5 ou 6 estrelas

Luxo e exclusividade: o que caracteriza um hotel como 5 ou 6 estrelas

Reprodução/Instagram O hotel Copacabana Palace tem quase 100 anos e é um marco da praia de mesmo nome, no Rio de Janeiro. O hotel é considerado 5 estrelas

Ao procurar por uma hospedagem, um dos principais fatores de seleção é, sem dúvida, a qualidade nos serviços oferecidos pelo hotel — desde seu atendimento, às acomodações e toda a infraestrutura em torno (como piscinas, espaços de recreação, entre outros).

Uma boa forma de verificar a qualidade de um hotel, especialmente para os mais exigentes, é por meio de sua classificação, nesse caso, por estrelas. Um hotel de 5 estrelas já é considerado de luxo, com tudo o que é necessário para uma estadia confortável e prazerosa.

Para os mais abastados e exigentes, que visam por exclusividade, existe ainda os hotéis considerados de 6 estrelas. Este oferecem os mesmos serviços dos hotéis de 5, porém, com um nível ainda maior de requinte e, sobretudo, buscando oferecer atrações que não serão encontradas em nenhum outro local.

Como como se classifica um hotel?

Reprodução/freepik As avaliações dos usuários ajudam a construir a reputação de um hotel, diz especialista

O turismólogo Lucas Gamonal, professor adjunto do Departamento de Turismo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), explica que, hoje, o que realmente vale quando se procura por uma hospedagem, e o que os próprios hotéis consideram importantes, são as avaliações feitas por clientes nas diversas plataformas existentes.

No Brasil, as classificações costumavam ser feitas pelo Sistema Brasileiro de Classificação, ou SBClass, que determinava sete diferentes tipos de hospedagens, desde hotéis, pousadas, hotéis fazenda, e até os Bed and Breakfast (Cama e Café da Manhã, em português).

Porém, com o avançar da tecnologia e o surgimento das OTA (Online Travel Agency, ou Agência de Viagem Online, em português), e plataformas de avaliações, como a Trip Adviser, Booking.com, Trivago, entre outras, o SBClass perdeu sua força.

“Como os próprios usuários fazem suas avaliações, isso passou a ter muito mais peso do que algo realmente oficial”, afirma Lucas. “O SBClass funcionou bem até 2014, e ele se baseava em três pilares: infraestrutura, serviços e sustentabilidade.”

O especialista continua: “Para que um hotel fosse classificado como 6 estrelas, ele deveria contar com uma série de serviços, como uma recepção 24 horas, por exemplo. Algo simples, mas que oferecesse um atendimento especializado. Em relação às medidas de sustentabilidade, serviços oferecidos e a infraestrutura, nós falamos de uma arquitetura suntuosa e atrativa. Isso é o que realmente impacta.”

Atualmente, como o SBClass não é mais oficial, de acordo com Lucas Gamonal, assim como no exterior, o que realmente pesa ao avaliar a classificação de uma hospedagem são as avaliações de seus usuários.

“Os hóspedes, por meio desses canais, principalmente as OTAs, constraem a reputação desse estabelecimento. Quanto melhor são os serviços oferecidos, melhor são as avaliações”, comenta. Contudo, Lucas reforça que para que esses hotéis ganhem a chancela de 5, ou mesmo 6 estrelas, são utilizados os mesmos pilares do antigo SBClass.

“Alguns hóteis se afirmam até mesmo como 7 estrelas. Eles são extremamente luxuosos em suas edificações e, principalmente, na oferta de serviços exclusivos. Alguns contam com traslado com helicóptero, serviços de spa e, em alguns casos, até mesmo com acesso a praias exclusivas”, aponta o turismólogo.

O especialista ressalta ainda que, além da qualidade do que se é oferecido, o principal é a exclusividade, o requinte e o luxo. “É o que vai conferir esse status e garantir essa classificação, principalmente das 6 estrelas.”

Vale ressaltar que não se trata de uma avaliação oficial e, como explica o turismólogo, no Brasil não existe a possibilidade de requerer essa certificação. “O que predomina, realmente, são as avaliações nas plataformas digitais. É o que acaba funcionando e é com o que os hotéis se preocupam”, completa.

Um nível a mais no luxo: a diferença entre hotéis 5 e 6 estrelas

Ao iG Turismoo especialista no segmento de hotelaria, Gilvan Santos, do Doutor Hotel, destaca alguns dos principais serviços que elevam um hotel ao padrão de 6 estrelas, como um atendimento personalizado.

“Em um hotel seis estrelas, o hospede pode esperar um nível ainda mais elevado de serviço personalizado, em comparação com um hotel 5 estrelas”, diz o especialista. “Os funcionários estarão mais atentos às necessidades dos hóspedes e farão de tudo para garantir uma experiência excepcional.”

Gilvan ressalta que essas são apenas algumas das diferenças comuns entre os dois níveis e que, na verdade, cada país tem suas próprias políticas, embora o “verdadeiro padrão” seja o que as grandes redes identificam como serviços para seus hotéis.

“Um hotel nível 5 estrelas em um país pode ser considerado um 3 estrelas em outro. Ou, até mesmo, em diferentes regiões de um país, como analisar uma pousada no litoral de  São Paulo e outra em Jericoacoarano Ceará, por exemplo.”

Além disso, “os critérios para classificar hotéis podem variar dependendo da organização responsável pela classificação. Cada hotel pode ter características distintas que o diferenciam de outros dentro da mesma categoria”, finaliza.

Agora você pode acompanhar o iG Turismo também no  Instagram e no   Facebook!

Fonte: TURISMO.IG.COM.BR