Tem sido dada "muitíssima atenção" ao combate à corrupção na Defesa

Tem sido dada

“Temos dado muitíssima atenção e prioridade a tudo que tem a ver com a necessidade de reforçar e promover a transparência e a prevenção da corrupção e da criminalidade económica e financeira na área da Defesa”, Afirmou Helena Carreiras, no distrito de Aveiro, à margem da iniciativa Defesa + Jovem, na Base Aérea de Maceda.

A ministra foi confrontada com a notícia divulgada sexta-feira pelo jornal Expresso sobre novas suspeitas na Defesa e que refere que o ministro João Cravinho, na altura responsável pela pasta, “terá avançado sem cobertura do Tribunal de Contas nem contrato para a manutenção dos helicópteros EH-101” (cuja esquadra assegura as missões de busca e salvamento).

De acordo com a publicação, “foi para dar assessoria à renegociação desse contrato com o fabricante — que nunca chegou a entrar em vigor —, que Marco Capitão Ferreira recebeu 61,5 mil euros, sem que a Polícia Judiciária tivesse encontrado provas materiais do serviço prestado em apenas cinco dias”.

“Compreendo a curiosidade que naturalmente têm mas gostaria de guardar o essencial que há a dizer sobre esse assunto para audição parlamentar que vai acontecer em breve”, começou por responder Helena Carreiras.

A ministra explicou depois que “para além de varias inspeções que foram promovidas e estão a ser desenvolvidas pela Inspeção Geral da Defesa Nacional a todas as entidades da esfera da defesa, incluindo o setor empresarial do Estado, já desde dezembro de 2022, há também um outro conjunto de ações inspetivas” a decorrer.

“Gostaria de realçar, que são [ações] de sensibilização e formação de todos os quantos trabalham nestas áreas para promover as boas praticas, o respeito pela lei e pelos procedimentos devidos na dimensão da contratação publica na área da Defesa e da prevenção da corrupção do modo geral”, enumerou Helena Carreira.

Sobre o caso de envolver Capitão Ferreira, a ministra da Defesa referiu que “existe um processo judicial em curso”.

“A Justiça está a trabalhar e há que não desvalorizar esse trabalho, também há que compreender que a Justiça tem que ter as condições de serenidade e de rigor necessárias para desenvolver o trabalho que tem que desenvolver e que tem competência para desenvolver”, disse.

Helena Carreiras garantiu ainda que “o Ministério da Defesa Nacional tem oferecido, desde o primeiro momento e continuará a faze-lo, toda a colaboração com as autoridades judiciais para apurar o que houver a apurar”.

As audições na Comissão de Defesa da ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, e do anterior titular do cargo e atual ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, já foram aprovadas mas ainda não têm datas.

Capitão Ferreira demitiu-se do cargo de secretário de Estado da Defesa na semana passada e, no mesmo dia, foi constituído arguido no âmbito da operação ‘Tempestade Perfeita’, sendo suspeito dos crimes de corrupção e participação económica em negócio.

Leia Também: Sargentos acusam António Costa de desvalorizar Defesa

PUB

Consolidação de crédito: Enfrente a inflação ao consolidar as suas prestações numa só!

Barcelona desde 43€ ida

Cultura Viagens 03/07/23

A cidade de Gaudi tem as Ramblas, a Sagrada Família e não só. Reserve já!

patrocinado por Betclic

A bola não para e estes são os jogos mais 'apetecíveis' para apostar

patrocinado por Amazon

Amazon Prime Day: Descontos a não perder!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Fonte: NOTICIASAOMINUTO.COM