Doença misteriosa deixa centenas de pessoas hospitalizadas e acende alerta das autoridades

A pandemia do coronavírus mudou completamente a rotina da população no mundo inteiro. A vida normal, que a sociedade vivia no ano passado, hoje em dia não existe mais. A forma de viver em grupo teve que ser reaprendida. Atualmente, a indicação é que se faça uso de máscaras faciais, álcool gel para higienizar as mãos e também o distanciamento social. Abraços, beijos e os tradicionais apertos de mão não são recomendados para evitar a proliferação do vírus.

Será que o mundo ainda pode sofrer com uma nova doença capaz de fazer tanto estrago quanto o coronavírus? Ainda não se sabe, mas na Índia uma doença misteriosa pode acender o alerta mundial para uma enfermidade que a ciência desconhece até o momento. Pelo menos uma pessoa perdeu a vida e mais 227 estão hospitalizadas com a doença misteriosa, que surgiu no estado de Andhra Pradesh.

De acordo com as equipes de saúde da localidade, os pacientes apresentam vários sintomas diferentes, como convulsões, náuseas e até perda da consciência. As autoridades indianas estão investigando a situação e tentando descobrir o que poderia ter deixado as pessoas doentes no município de Eluru neste último final de semana.

 

Infelizmente, a crise sanitária atingiu o país em meio à outra batalha que está sendo travada pelas autoridades da Índia. O país é o segundo mais atingido pela Covid-19 no mundo. Andhra Pradesh, local onde está acontecendo o surto da doença misteriosa, é uma das regiões mais atingidas pelo coronavírus no país indiano, que registra mais de 800 mil infecções pelo vírus.

 

Os profissionais de saúde e as autoridades locais já descartaram qualquer tipo de relação com a Covid-19. Alla Kali, ministro da Saúde, disse inclusive que os pacientes tiveram o teste para coronavírus negativo. “As pessoas que ficaram doentes, principalmente as crianças, de repente começaram a vomitar após reclamar de dor dos olhos. Alguns desmaiam ou convulsionam”, explicou durante uma entrevista.

 

Fonte: www.i7news.com.br/