Fernández diz que Argentina tem poucos dólares porque economia cresce muito

Fernández diz que Argentina tem poucos dólares porque economia cresce muito

Como você se sentiu com essa matéria?

Presidente argentino criticou gestão econômica de Mauricio Macri e disse que falta de diesel é problema mundial| Foto: EFE/Juan Ignacio RoncoroniOuça este conteúdo

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou nesta quinta-feira (30) que a escassez de dólares sofrida pela economia nacional se deve ao fato de o país estar a crescendo “muito”, acusou a oposição de causar desequilíbrios na taxa de câmbio e alegou que “a especulação continua sendo uma das causas da inflação”, problema crônico argentino.

“A Argentina de hoje tem problemas, é claro que tem. Faltam os dólares que são necessários para poder continuar a investir e continuar a gerar produção, e é por isso que cuidamos dos dólares, porque não queremos que os dólares se vão em viagens, queremos que continuem a produzir e a dar emprego”, declarou o presidente durante a inauguração de uma fábrica têxtil na província de La Rioja.

E observou: “Temos um problema com os dólares porque estamos crescendo muito e precisamos de dólares para poder importar insumos. E estamos crescendo tanto que, embora tenhamos exportações recorde, não temos dólares suficientes devido à quantidade de insumos que temos de importar para continuar a produzir”. Neste sentido, Fernández argumentou que o país tem “uma crise de crescimento”.

O preço do dólar americano no mercado informal – ao qual os cidadãos recorrem devido às severas restrições na obtenção de moeda estrangeira no mercado oficial – tem batido recordes há semanas, no contexto da desconfiança dos investidores em relação ao peso argentino constantemente desvalorizado e aos ativos em moeda local.

Tudo isto em meio ao cenário de diminuição das reservas internacionais. O governo, no acordo selado em março com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para refinanciar o empréstimo de US$ 45 bilhões assinado em 2018 com a gestão de Mauricio Macri (2015-2019), se comprometeu a aumentar as suas reservas líquidas em US$ 5,8 bilhões neste ano.

No evento desta quinta-feira, Fernández voltou a atacar a gestão econômica do antecessor: “Viemos depois daqueles que endividaram a Argentina como ninguém”, argumentou.

Sobre a escassez de diesel, combustível muito utilizado no setor agrícola num país que é fundamentalmente agroexportador, Fernández alegou que o resto do mundo também sofre com isso, e criticou o fato de o setor agroindustrial ter anunciado na quarta-feira que realizará um dia de protesto em 13 de julho.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR