Em vez de presentes de casamento, noivos pedem doação de sangue – Noivas – iG

Reprodução/Arquivo pessoal Casal pediu doações de sangue em vez de presentes

Apesar de pouco convencional, a sugestão de presentes para o casamento dos noivos Jacqueline Batista e Gil Mendes tem muito a ver com amor: impedidos de celebrar a união com festa e muitos convidados durante a  pandemia da Covid-19, os dois decidiram pedir que amigos e familiares fizessem uma doação de sangue, destacando o momento de enorme fragilidade do sistema de saúde e, consequentemente, uma maior necessidade de gestos solidários.

Leia também

  • Noiva fica chocada ao ver marido estragar tradição do bolo de casamento
  • Ex-miss Mundo anuncia gravidez de gêmeos após 14 abortos
  • Casal realiza casamento por chamada de vídeo para 300 convidados

“A ideia surgiu de uma necessidade de ‘multiplicar, dividir e somar’ para celebrar nossa união”, explica Jacqueline, que é cientista social e vive em Belo Horizonte. Ela conta que, embora tenha sida responsável pela sugestão, a ideia recebeu grande apoio do noivo. “A doação de sangue nada mais é que um gesto de amor. E como não podemos concretizar a troca de amor em formato de festa e celebrações devido à Covid, estamos propondo a forma de doação de sangue”, defende. 

O convite, então, foi enviado aos amigos e familiares mais próximos, que devem realizar uma doação no dia primeiro de agosto, no hemocentro de Belo Horizonte. Os noivos, porém, destacam que o “presente” deve ser evitado por pessoas que pertençam ao grupo de risco para Covid-19 ou não preencham todos os critérios para doação.

“Não é a quantidade que importa, mas a conscientização do quão importante e necessário é a doação de sangue, que não deve esperar um familiar ou amigo ser hospitalizado para acontecer. Doar é amor e isso sim tem tudo a ver com casamento”, destaca a noiva. 

Além da pandemia, o casamento entre Jacqueline e Gil também precisou vencer o desafio da distância. Ela, que é mineira, pretende morar com o noivo, que vive em Portugal. A comemoração, então, ocorrerá sem a união física do casal. “Meu maior presente seria a presença dele, mas temos uma pandemia e um oceano de distância”, conta. 

“Nos conhecemos em 2019, quando fiz um intercâmbio em Portugal. Começamos a namorar, mas achei que o relacionamento só ia durar até o fim do semestre e do intercâmbio, né?” brica a noiva, antes de contar que, menos de seis meses depois, Gil foi ao Brasil oficializar o pedido de casamento

Fonte: delas.ig.com.br/noivas/2020-07-23/em-vez-de-presentes-de-casamento-noivos-pedem-doacao-de-sangue-durante-pandemia.html