Primeiro sobrevivente da Covid-19 em Cerejeiras, motorista de ambulância que ficou 41 dias intubado volta ao trabalho

 
Joel França teve sequelas graves da doença, após tratamento em Cacoal
 
O motorista de ambulância que foi considerado o primeiro sobrevivente da Covid-19 em Cerejeiras voltou ao trabalho nesta semana.
 
“Depois de 10 meses de recuperação das sequelas da Covid-19, graças a Deus estou de volta ao serviço”, postou o servidor Joel França, de 52 anos, numa rede social nesta semana.
 
O primeiro dia de trabalho do motorista foi na quinta-feira, 03. Ele cumpriu o costumeiro horário que vai das 7h00 às 13h00 no Hospital São Lucas, onde dirige a ambulância da instituição.
 
No segundo dia no trabalho, Joel teve uma missão que parecia ser uma peça pregada pelo destino. “Fui a Vilhena buscar oxigênio para o hospital”, disse o servidor ao FOLHA DO SUL ONLINE. O oxigênio é um produto indispensável no tratamento da Covid.
 
Joel ficou 41 dias entubado com a doença em Cacoal e sobreviveu, apesar das sequelas, como um ferimento no pé. Quando retornou para Cerejeiras após receber alta do tratamento, o motorista foi recebido com uma carreata, com direitos e cânticos religiosos e homenagens de amigos (LEMBRE AQUI)
 
Servidor exemplar e mais apegado após passar pela doença, Joel diz estar satisfeito por ter retornado ao trabalho.
 
Ao FOLHA DO SUL ONLINE, o motorista comentou sua sensação ao retornar ao mesmo trabalho que exercia quando foi contaminado pelo vírus mais assustador dos últimos tempos. “Foi uma sensação muito boa. Na hora que cheguei ao trabalho, veio tudo na minha mente o que passei na época, quando peguei o Coronavírus. Também recordei o momento difícil, quando saí da UTI e não andava também por causa da sequela. Na hora que cheguei ao hospital para trabalhar foi um momento incrível. Recebi muitos elogios dos amigos e amigas que trabalham aqui no hospital”.
 

Fonte: FOLHADOSULONLINE.COM.BR