Opositores não conseguem votos para impeachment, e Lasso segue na presidência do Equador

Como você se sentiu com essa matéria?

Oitenta dos 137 parlamentares nacionais votaram a favor da destituição de Lasso, mas eram necessários 92 votos para que o presidente fosse removido do cargo| Foto: EFE/José JácomeOuça este conteúdo

A Assembleia Nacional do Equador salvou o presidente do país, Guillermo Lasso, de sofrer impeachment na noite de terça-feira (28).

Na semana passada, um grupo de parlamentares ligado ao ex-presidente Rafael Correa e um setor do movimento Pachakutik, braço político da Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie), principal entidade organizadora dos protestos que estão sendo realizados no país desde o último dia 13, haviam ativado o processo, alegando “crise política e comoção interna” devido à onda de manifestações contra o alto custo de vida e as políticas econômicas do governo.

Após três dias de debates, 80 dos 137 parlamentares nacionais votaram a favor da destituição de Lasso, mas eram necessários 92 votos para que o presidente fosse removido do cargo.

Antes da votação, Lasso havia acusado os aliados de Correa “de atacar a democracia, de aproveitar o caos para destruir a institucionalidade no Equador”, em mensagem de vídeo postada nas redes sociais.

Deixe sua opinião

Como você se sentiu com essa matéria?

Veja mais matérias que causaram reações nos leitoresAtualizado às

Encontrou algo errado na matéria?comunique errosSobre a Gazeta do PovoxSobre a Gazeta do Povo

Fonte: GAZETADOPOVO.COM.BR